sábado, 31 de dezembro de 2016

Brazilian Satellite Manufacturer Seeks New Business as It Completes Its First Satellite

Hello reader!

It follows a note published on the day (30/12), in the site "www.spacenews.com", noting that Brazilian Satellite Manufacturer (Visiona Tecnologia Espacial) seeks new business as it completes its first satellite.

Duda Falcão

Brazilian Satellite Manufacturer Seeks New
Business as It Completes Its First Satellite

By Caleb Henry
December 30, 2016

Credit: Thales Alenia Space
Brazil’s new domestic satellite manufacturer Visiona
Tecnologia Espacial is exploring multiple business avenues,
including remote sensing as its first project, the SGDC
satellite with Thales Alenia Space, nears launch.

WASHINGTON — In the absence of a guaranteed order for a second geostationary satellite, Brazil’s emerging domestic satellite manufacturer Visiona Tecnologia Espacial is building up a remote sensing business and weighing a small satellite project in order to gain more experience.

Established in 2012, Visiona is a joint venture between Telebras Telecomunicações Brasileiras and Embraer Defense and Security tasked with cultivating a geostationary satellite manufacturing capability in Brazil. The company’s flagship project is the Geostationary Defense and Strategic Communications (SGDC) satellite, a Ka- and X-band spacecraft for Telebras and the Brazilian Ministry of Defense constructed in partnership with Thales Alenia Space of France.

SGDC is slated to launch in March, toward the end of a six-month window with launch provider Arianespace on an Ariane 5 rocket. Visiona awarded the SGDC contract to Thales Alenia Space in the fourth quarter of 2013, which included a technology absorption program organized by the Brazilian Space Agency that let more than 65 Brazilians work alongside Thales experts in France. Visiona received the finished satellite this month and is preparing to have it shipped to French Guiana in February.

Visiona worked as the interface for Telebras and the Ministry of Defense to help design the satellite and integrate the payloads into a Thales Alenia Space’ Spacebus 4000 platform. To prevent a loss of momentum, Visiona is considering a satellite project in low Earth orbit that would allow the company to showcase its manufacturing abilities until other avenues of business become clear, according to company President and Chief Executive Eduardo Bonini.

“Next year the next step for Visiona could be building a new small satellite for observation. This would bring more confidence from customers and that could bring more chances to build products and capabilities,” Bonini told SpaceNews.

Visiona’s background is in low Earth orbit satellites. Much of the company’s technical acumen came from INPE, Brazil’s National Institute for Space Research, which has built several remote sensing spacecraft and led Brazil’s half of the China-Brazil Earth Resources Satellite (CBERS) series. The latest such satellite, CBERS-4, launched in December 2014 on a Chinese Long March 4B rocket.

“Visiona is not waiting only for a second satellite in geostationary. We are working in front of all the necessary government areas that could use not a geostationary satellite, but a new satellite for observation, data collecting, or other applications,” Bonini said.

SGDC is Visiona’s first geostationary satellite project. The company would not have been able to complete the project without the support of Thales Alenia Space, which helped build the satellite and its ground stations in Brasilia and Rio de Janeiro. A smaller satellite, however, is something Bonini believes it can complete on its own.

“We feel we have capacity to build a small satellite here in the weight of 100 kilograms that could meet the demands of several applications. Our idea is to use a Visiona platform that could fit into data collecting, remote sensing or strategic tactical communications and optical applications,” Bonini explained.

Earth Imagery Business

Visiona has also formed a new business unit called Observation Services that stitches together imagery from international satellite operators with coverage of Brazil.  Bonini said his company has partnerships with Airbus, DigitalGlobe, Restec (Remote Sensing Technology Center) of Japan, South Korea’s SI Imaging Services and UrtheCast. That service has generated a few million dollars in revenue from about 12 to 15 customers.

Bonini said Visiona is investing in value added services for the imagery, such as creating models and simulations, rather than just being an intermediary supplier. Visiona’s imagery partners were represented in Brazil in the past, but Bonini said the volume of business was too little to justify having a large individual presence. With the combined resources of the five imagery providers, Bonini said the company has optical coverage of Brazil ranging from 0.3 to 25 meters, and radar from 0.25 to 50 meters, as well as access to UrtheCast video from the International Space Station.

Bonini said Visiona is marketing this service to Brazil’s Ministry of Defense, but could also build a dedicated satellite constellation if they preferred a proprietary system. Visiona is pursuing customers with this imagery business in addition to trying to find additional customers who might buy satellites.

Future Satellite Plans

The SGDC communications satellite is designed primarily for government services. Its 50 Ka-band transponders are meant to provide full coverage of Brazil mainly for digital inclusion programs to bring internet access to remote parts of the country. The seven X-band transponders are for military applications.

Bonini said the country’s new government needs more time to determine if it wants to invest in a second SGDC satellite. The president of Telebras also changed with the impeachment of former president Dilma Rousseff, Bonini said, and new leadership wants to ensure that continued investment in SGDC would be a profitable investment. He added that none of these changes have affected the first SGDC satellite.

Should Visiona obtain another geostationary satellite contract, be it an SGDC-2 or something else, Bonini said the company would seek to build more of the satellite with Brazilian parts and labor. “We have in mind that the integration of a second satellite should happen in Brazil,” he said.

This would likely involve using an assembly, integration and testing facility through INPE. Thanks to skills gained with SGDC, Bonini said Visiona would be able to build more composite materials, participate in building solar arrays and construct some of the power system for its next geostationary satellite project, whenever one starts.


Source: Website www.spacenews.com

sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

Em Parceria Com INPE, ITA Desenvolverá Nanossatélite Financiado pela NASA

Olá leitor!

Segue abaixo uma outra nota esta postada hoje (30/12) no site da “Força Aérea Brasileira (FAB)” tendo como destaque o Projeto do Nanosat SPORT que será desenvolvido em parceria pela NASA com o Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) e o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).

Duda Falcão

ESPAÇO

Em Parceria Com INPE, ITA Desenvolverá
Nanossatélite Financiado pela NASA

Equipamento deve ser lançado a partir da Estação Espacial Internacional e
deve ajudar na compreensão do clima espacial

Por Ten Jussara  Peccini
Edição: Agência Força Aérea
Fonte: ITA/INPE
Publicado: 30/12/2016 - 08:00h

O desenvolvimento de um nanossatélite com a participação de dois institutos brasileiros, o Instituto Tecnológico de Aeronáutica(ITA) e o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), acaba de ser selecionado, dentre mais de 70 propostas apresentadas, para financiamento pela NASA, a agência espacial norte-americana. O equipamento terá como finalidade investigar o clima espacial.

Imagem ilustrativa do nanosatélite.

“Espera-se que esta missão possa reunir dados que aumentem a compreensão dos fenômenos que ocorrem nesta importante camada da atmosfera e permitam assim alimentar os modelos teóricos da ionosfera que modelem o seu comportamento, permitindo uma melhoria na previsibilidade destes fenômenos”, afirma o gerente da plataforma e professor doutor do ITA, Luís Loures.

A iniciativa é coordenada pelo Marshall Space Flight Center, centro de pesquisas civil do governo dos Estados Unidos, que inclui também universidades norte-americanas, e visa lançar o equipamento a partir da Estação Espacial Internacional (ISS) entre novembro de 2018 e março de 2019. O cronograma prevê o início da missão em março de 2017. A vida útil do nanossatélite é estimada em um ano, em função da atividade solar no período e da dinâmica de voo para o lançamento da ISS.

O nanossatélite, um cubesat de aproximadamente seis quilos, servirá a estudos sobre a formação de bolhas de plasma ionosférico, que são as fontes principais de reflexões de radar na região equatorial. A missão denominada de SPORT (sigla em inglês para Scintillation Prediction Observation Research Task) investigará o estado da ionosfera que acarreta o crescimento das bolhas de plasma. Também serão estudadas as relações entre as irregularidades no plasma em altitude de satélites com as cintilações de rádio observadas na região equatorial da ionosfera.

A ionosfera é a camada superior da atmosfera terrestre que se estende de 50 km a 1000 km de altitude, sendo composta basicamente por elétrons e átomos carregados eletricamente devido à forte incidência da radiação solar que induz a estes estados. Esta camada é extremamente importante para a transmissão de ondas de rádio e para a precisão do sinal de sistema de posicionamento global (GPS). O que ocorre é que a camada ionosférica é suscetível à formação de bolhas de plasma e cintilações, principalmente nas regiões próximas ao equador magnético, e estes fenômenos causam distúrbios diversos. A situação pode ser agravada pela ocorrência de tempestades solares que lançam grandes quantidade de radiação ionizante em direção à Terra.

“O projeto SPORT permitirá ao instituto a consolidação de sua competência na área de cubesats, criando as condições para uma evolução constante na pesquisa em engenharia de pequenos satélites”, resume Loures.

Tarefas - Ao ITA caberá o projeto, a integração e os ensaios da plataforma. As universidades americanas serão responsáveis pela carga útil, ou seja, em elaborar os instrumentos de medição da ionosfera. O INPE terá a tarefa de coordenar o segmento de solo, ou seja, controlar o satélite, receber os dados, tratá-los e disponibilizá-los para a comunidade científica.

Além da Engenharia Aeroespacial, o Departamento de Física do instituto está envolvido na tentativa de compreensão dos fenômenos que regem a ionosfera.

Sob o ponto de vista científico, o projeto SPORT contará com a liderança do professor do ITA Abdu Mangalathayil, considerado o principal pesquisador brasileiro na área de ionosfera e com atuação internacional reconhecida. O professor coordenará os trabalhos de estudo da ionosfera que serão desencadeados pela pesquisa. Também estão envolvidos especialistas em plasma e em sensores aeroespaciais. Outros professores e alunos de doutorado e pós-doutorado também participam.


Fonte: Site da FAB - http://www.fab.mil.br/

EDITORIAL - O Fim do VLS

Olá leitor!

Segue abaixo um artigo editorial publicado ontem (29/12) no site “Defesanet.com” tendo como destaque o fim do Projeto do VLS-1.

Duda Falcão

COBERTURA ESPECIAL - ESPECIAL ESPAÇO – EDITORIAL

EDITORIAL - O Fim do VLS

Uma série de dificuldades levou ao fim do Programa do Veículo Lançador de Satélites.
Problemas de gestão e falta de recursos e em especial de uma análise crítica
pelos gestores dos programa nos últimos anos.

DefesaNet
29 de Dezembro, 2016 - 14:20 ( Brasília )

Lançamento do VLS-1 V02, em 1999. Por falha
no 2 estágio o foguete foi destruído em voo.

Há quase um ano, no dia 29 de fevereiro 2016, a direção do Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE), do DCTA, reuniu os funcionários no auditório do ITA. A pauta era variada, mas o ponto principal foi o “Fim do VLS”.

Na ocasião, o Cel. Antonio H. Blanco Ribeiro realizou uma apresentação sobre a atual situação do VLS e propostas de novos lançadores, sondas e Veículo Lançador de Microssatélites (VLM).

O então Chefe Interino do IAE, Cel Blanco iniciou a palestra com as palavras de que “era o momento de colocar o coração de lado”. A introdução deixou clara a proposta: o fim do projeto VLS.

Não foi mencionado, mas o VLS morreu pelas causas:

- Falta de recursos financeiros;

- A perda de 21 técnicos no acidente, em 2003, e grande perda com aposentadorias não repostas;

- Mesmo com a revisão pela Rússia de todo o projeto VLS, as incertezas permaneciam;

- O conflito sideral entre: AEB x INPE x FAB (IAE) x MCTI (agora MCTIC), e,

- O impasse no desenvolvimento do Sistema Inercial de Navegação (SISNAV) denominado VSISNAV.

A questão do VSISNAV é recorrente em outros Projetos Estratégicos de Defesa que dependem de componentes de alta tecnologia e conhecimento acumulado.

E também um ponto que ficou claro, a escada tecnológica e o crescimento em complexidade das família de foguetes de sondagem desenvolvidos com sucesso pelo IAE (Sonda 1,2, 3, 4 e VS-40) e pulo tecnológico com desenvolvimento do VLS, em muitos pontos foi no vácuo, a distância entre o Veículo Suborbital VS-40 e o Veículo Lançador de Satélites (VLS).

A proposta oferecida era a construção do de uma escala de complexidade tecnológica com VS-43, VS-50 e VLM.

O primeiro deles, o VS-43 seria um veículo simples, com subsistemas menores e com dimensão mais próxima da parte alta do VLS (aproveitando o grande estoque de material do VLS). Desta maneira, conseguiriam um voo mais rápido do que o desenvolvimento do VSISNAV.

Entre as missões do VS-43, de microgravidade e reentrada da atmosfera, o foguete também faria ensaio e voo do VSISNAV (sistema de navegação de foguetes em desenvolvimento no DCTA), ensaio de eventos para satelização e preparação para o VS-50 e VLM.

O VS-50 teria dois estágios e seu principal objetivo seria o desenvolvimento do motor. Com o VS-43 e o VS-50, poderiam realizar diferentes combinações de montagens de motores e estágios, abrindo o leque de possibilidades para o VLM.

Para os lançamentos, a Torre Móvel de Lançamento (TMI) em Alcântara poderia ser utilizada, tanto porque os novos lançadores seriam de dimensões próximas ao VLS, como pela TMI ter sido projetada para ajustes de alturas nas plataformas, visando novos modelos de lançadores.

Mas o gosto amargo ficou na boca. O fim da Missão Espacial Completa Brasileira (MECB), programa criado na década de 1980 com vistas a dotar o país dos meios necessários para se colocar um satélite nacional em órbita da Terra, utilizando-se um foguete também fabricado no país, a partir de uma base de lançamento situada no território nacional.

Gosto mais amargo para a comunidade técnico-científica brasileira que muitos trabalharam toda a sua vida no VLS e MECB, e para os familiares que tiveram seus entes queridos mortos no acidente do VLS V03.

Nem curadas as feridas do fim do VLS, abrem-se desafios enormes. O desenvolvimento do motor S50 impõe metas gigantescas para o IAE e IFI e em especial para a empresa AVIBRAS.

Esta terá que mostrar um real planejamento e vontade em ações diretivas para adquirir um novo patamar tecnológico necessários para o motor S50. Um investimento pesado em capacitação. E ao IAE e IFI a coragem de ser o real indutor destas tecnologias na Base Industrial de Defesa e Espaço. Ao Comando da Aeronáutica o apoio aos seus comandados.

A todos os envolvidos e presentes, na alegre assinatura no dia 22 DEZ 2016, deverão ser cobrados pelo desenvolvimento do S50. A comunidade Espacial Brasileira e o Brasil acompanharão este último sopro de vida dos anseios Brasileiros no Espaço.

Foto: IAE
A alegre assinatura de contrato da industrialização do Motor
S-50. Liderados pelo , o diretor do Instituto de Aeronáutica e
Espaço,IAE, Brig. Eng. Augusto Luiz de Castro Otero  e o Eng.
João Brasil Carvalho Leite, presidente da AVIBRAS. 


Fonte: Site Defesanet.com - http://www.defesanet.com.br

Comentário: Gente, a assinatura do contrato com a AVIBRAS no dia 22/12 para a produção dos motores S50 do VLM-1 é apenas o primeiro passo, mas é agora que os problemas realmente começarão. O fato de se ter feito a assinatura do contrato não é garantia nenhuma que o projeto irá avançar dentro do cronograma previsto, ou mesmo se irá avançar. Além do conhecido desinteresse governamental e dos problemas diversos operacionais que o IAE enfrenta diariamente, existem ainda forças contrarias muito poderosas que vão trabalhar fortemente para atrapalhar de todas as formas todo esse processo com a conivência do desinteressado governo TEMER e do inoperante Comando da Aeronáutica (COMAER).  Na realidade se esse foguete vir a realizar algum dia um voo orbital, este só ocorrerá a partir de 2022 e com um foguete que terá suas partes mais sensíveis fabricadas fora do país, colocando todo o projeto em cheque e sobre o controle estrangeiro. Sob este controle e a partir desta data (2022) pouco representaria riscos (sejam eles de ordem comercial ou de defesa) para nações como os EUA a existência de um veículo lançador no Brasil que, num eventual conflito, pudesse ser transformado em um míssil, por exemplo, já que ate lá graças as ações de inteligência da CIA (leia Boeing entre outras) em curso atualmente em nosso território, todo o PEB e suas instalações já estarão esquadrinhadas e monitoradas devido à estupidez cometida nesta área nos últimos 10 anos pelo governo Petista, especialmente o da Ogra Debiloide. Além do mais (ai olhando o lado comercial) a tecnologia de acesso ao espaço a partir de 2022 estará tão avançada e competitiva que o VLM-1 será apenas mais um, e com grandes chances de fracasso comercial devido a incompetência e o desinteresse do governo populista brasileiro, apesar do envolvimento alemão. Os americanos sabem disso, os alemães também, e por conta disso o Peter Turner já se movimenta para levar vantagem. Na verdade leitor as perspectivas não são nada boas e piora a cada dia que passa. Aproveitamos para agradecer ao leitor Jahyr Jesus Brito pelo envio deste editorial.

quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

Mais Informações Sobre o Programa VLM-1

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota escrita e postada dia (27/12) pelo companheiro André Mileski em seu "Blog Panorama Espacial", com mais informações sobre o Projeto do VLM-1.

Duda Falcão

Mais Informações Sobre o Programa VLM-1

André Mileski
Blog Panorama Espacial
27/12/2016


O mais aguardado acontecimento em 2016 em se tratando de lançadores se deu na semana passada, com a contratação da produção de oito motores S50, que serão utilizados nos voos do veículo VS-50 e da primeira versão do VLM-1, ambos em desenvolvimento pelo Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE/DCTA), em parceria com a indústria (sobre a assinatura, veja as notas divulgadas pela Agência Espacial Brasileira e pelo IAE/DCTA).

Apresentamos a seguir alguns bullet points com informações sobre o contrato e o programa VLM-1:

Ineditismo. O contrato firmado com a Avibrás é de grande relevância pelo seu caráter inédito, uma vez que foi o primeiro contrato de produção de propulsores de lançadores firmado junto à indústria nacional no Brasil - não sem motivo a nota divulgada pela Agência Espacial Brasileira faz referência à assinatura como uma "data histórica para o Programa Espacial Brasileiro". O processo de contratação dos motores durou pouco mais de um ano e teve várias reuniões e rodadas de negociações. A única ofertante foi a Avibrás Divisão Aérea e Naval S.A., que apresentou sua proposta revisada em novembro.

Expertise da Avibrás em foguetes. O envolvimento da Avibrás, mundialmente conhecida pelo sistema militar ASTROS, com foguetes de sondagem e lançadores não é novo. Nas décadas de setenta e oitenta, a empresa participou do desenvolvimento de foguetes da família SONDA. Mais recentemente, desenvolveu o Foguete de Treinamento Básico (FTB) e o Foguete de Treinamento Intermediário (FTI) para o IAE, frequentemente utilizados para testes, qualificação e treinamento de equipes nos centros de lançamento de Alcântara e da Barreira do Inferno. A Avibrás é a única fabricante privada brasileira de perclorato de amônio, um dos componentes do propelente sólido dos motores que equipam grande parte dos projetos de foguetes nacionais. No final de 2014, foi também beneficiada com recursos de subvenção do programa Inova Aerodefesa, da FINEP, para desenvolvimento de tecnologia para o VLM-1.

Envolvimento da indústria nacional. A Avibrás não é a única indústria nacional envolvida com o VLM-1. A CENIC e a JTDH Engenharia, ambas de São José dos Campos (SP), foram selecionadas em 2014, respectivamente, para subvenções no âmbito do Inova Aerodefesa para o desenvolvimento de módulos inter-estágios e estruturas, e das redes elétricas do VLM-1. Novas contratações, locais e no exterior, serão necessárias para a conclusão do projeto e realização do primeiro voo.

Recursos no orçamento. Em entrevista concedida à Tecnologia & Defesa no início de dezembro, o brig. Augusto Luiz de Castro Otero, diretor do IAE, destacou a importância de 2017 para o VLM-1, fazendo referência à previsão orçamentária: "O ano de 2017 será de grande importância para o projeto VLM-1, por estar previsto o início da fabricação dos motores S50 e a consolidação do projeto completo do veículo. Para o atingimento destas metas, a Proposta de Lei Orçamentária Anual de 2017 prevê um aporte de mais de R$ 30.000.000,00, grande parte dedicados à contratação da produção dos S50."

Parceria com a Alemanha. O VLM-1 é mais um dos projetos em que o IAE coopera com a Alemanha, dando continuidade a um relacionamento de mais de quatro décadas, com destaque para iniciativas envolvendo foguetes suborbitais (VS-30 e VSB-30). Segundo o brig. Otero, "a participação do DLR no projeto VLM-1 é também importante para a execução de várias atividades técnicas e de fornecimento de sistemas do veículo." Destaque-se também o envolvimento de empresas da Alemanha, como a MT Aerospace, do grupo OHB System, que tem trabalhado na estrutura em fibra de carbono do motor S50.

Cronograma. De acordo com informações do diretor do IAE, o projeto VLM-1 no momento encontra-se na fase de definição de requisitos funcionais e técnicos, visando a consolidação do projeto completo no final de 2017. No planejamento do Instituto, está programada a realização de ensaios de qualificação de todos os sistemas, inclusive o motor S50, ao longo de 2018, permitindo a execução dos primeiros voos de qualificação do motor, dos sistemas embarcados, e do veículo VLM-1 em si, ao longo de 2019. Por sua vez, o contrato de produção do S50 tem prazo previsto para execução de 26 meses.


Fonte: Blog Panorama Espacial - http://panoramaespacial.blogspot.com.br/

Comentário: Leitor, eu gostaria mesmo de acreditar que as coisas serão tão certinhas assim como apresentadas pelo companheiro André Mileski, mas a verdade é que não serão. Este foguete só fará um voo orbital (se fizer) só a partir de 2022, e olhe lá.

Atualizando Nossas Campanhas

Olá leitor!

Hoje é a ultima quinta-feira  do mês de dezembro e do ano de 2016, e sendo assim é dia de atualizar você sobre as nossas campanhas em curso.

Bom leitor quanto à “Campanha para Regulamentação das Atividades de Grupos Amadores”, até agora 15 grupos já se inscreveram. São eles Auriflama FoguetesBANDEIRANTE Foguetes EducativosCEFABCEFEC, Grupo Carl Sagan, Grupo GREAVE, Grupo de Desenvolvimento Aeroespacial (GDAe) da UFC, Grupo Pionners,  Grupo Supernova Rocketry, Infinitude FoguetismoITA Rocket Design, NTA,, PEUE (Pesquisas Espaciais Universo Expansivo), Projeto Jupiter  e UFABC Rocket Design. Vamos lá gente, cadê os grupos amadores desse país, vocês não querem se organizar? (OBS: Continuo esperando que os 13 grupos inscritos respondam se há algum entre vocês que tem o interesse de organizar e sediar um ‘Seminário’ para discutirmos as atividades de espaçomodelismo no Brasil?)

Já quanto á “Campanha de Manutenção do Blog”, apenas quatro colaboradores já realizaram as suas contribuição no mês de dezembro no vakinha.com.br. Foram eles:

1 - Carlos Cássio Oliveira (presidente do CEFAB)
2 - Gledson Diniz
3 - Leo Nivaldo Sandoli
4 - Sérgio de Melo Moraes

OBS: informo aos leitores que ainda não sabem que  a campanha de manutenção do Blog pode ser acessada pelo link: http://www.vakinha.com.br/vaquinha/manutencao-do-blog-brazilian-space.

Enfim... vamos continuar aguardando que a partir da próxima semana haja uma mudança de postura de nossos leitores com as nossas campanhas, para que assim possamos efetivamente continuar contribuindo com o Programa Espacial Brasileiro, e quem sabe, com a permanência do blog online ou a criação do Portal Espacial que é hoje o nosso principal objetivo.

Duda Falcão

terça-feira, 27 de dezembro de 2016

NASA Vai Financiar Estudo do INPE Sobre Bolhas da Ionosfera e Sistemas de Navegação

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada dia (27/12) no site do “Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTI)”, dando destaque ao projeto do Nanosat da Missão SPORT que será desenvolvido entre a NASA, o INPE e o ITA.

Duda Falcão

NOTÍCIAS

NASA Vai Financiar Estudo do INPE Sobre
Bolhas da Ionosfera e Sistemas de Navegação

Nanossatélite de seis quilos deve ser lançado ao espaço em março de 2017 para estudos
sobre a formação de bolhas de plasma ionosférico, que podem ter impacto nos
sistemas de comunicação e de navegação do planeta

Crédito: Reprodução da internet
NASA vai financiar o desenvolvimento de um nanossatélite para
estudos de bolhas de plasma na ionosfera, que podem ter impacto
nos sistemas de comunicação e navegação do planeta.

A NASA, agência espacial norte-americana, vai financiar o desenvolvimento de um nanossatélite para estudos de bolhas de plasma na ionosfera, que podem ter impacto nos sistemas de comunicação e navegação do planeta. A Missão SPORT (Scintilation Prediction Observations Research Task ou Observações de Previsão de Cintilação, em português) é coordenada pelo Marshall Space Flight Center, da agência espacial americana, em parceria com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e o Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA).

O nanossatélite financiado pela NASA, um cubesat de aproximadamente seis quilos - o que torna os custos do projeto muito baixos pelo retorno que ele trará ao país -, servirá a estudos sobre a formação de bolhas de plasma ionosférico, que são as fontes principais de reflexões de radar na região equatorial. A missão Sport investigará o estado da ionosfera que acarreta o crescimento das bolhas de plasma. Também serão estudadas as relações entre as irregularidades no plasma em altitude de satélites com as cintilações de rádio observadas na região equatorial da ionosfera.

Segundo o coordenador do Projeto NANOSAT, Otávio Durão, a iniciativa combina dados obtidos no espaço com outros coletados pela rede de sensores mantida pelo Programa de Estudos e Monitoramento Brasileiro do Clima Espacial (EMBRACE) do INPE sobre a ionosfera.

"A importância do nanosat transcende a sua aplicação científica e tecnológica, que por si só já seria suficientemente importante pela sua originalidade em combinar dados obtidos no espaço com dados obtidos pela rede de sensores do INPE/EMBRACE em solo sobre a ionosfera na região da anomalia magnética. Esta região, devido à formação das bolhas de plasma cujas origens esta missão buscará entender, acarreta problemas de comunicação e navegação, o que dá também à missão características práticas tanto para o setor civil quanto para o de defesa", explica Durão.

Na avaliação dele, a cooperação com os Estados Unidos no setor espacial pode representar o reinício da cooperação com o país mais avançado no setor e que "em passado recente foi prejudicada por problemas da participação brasileira na construção da Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês), o maior empreendimento do mundo no setor, reunindo 16 países".

Desenvolvimento

Os instrumentos a bordo do satélite serão desenvolvidos pelo centro da NASA e universidades dos Estados Unidos, com a participação de pesquisadores brasileiros. Já a plataforma poderá ser semelhante à do ITASAT, nanossatélite universitário realizado em parceria pelo ITA, INPE e instituições de ensino brasileiros.

"No Brasil, a cooperação é com o ITA, e as possibilidades de participação de outras universidades brasileiras são concretas para o intercâmbio com as instituições norte-americanas", afirma Durão.

No Laboratório de Integração e Testes (LIT) do INPE, em São José dos Campos (SP), serão feitos a montagem e os ensaios necessários para o lançamento do nanossatélite. A responsabilidade pela operação em órbita será do Centro de Controle de Satélites (CCS) do INPE e estações brasileiras de cubesats.

Processamento, Armazenamento e Distribuição de Dados

O Programa de Estudo e Monitoramento Brasileiro do Clima Espacial (EMBRACE) do INPE fará o processamento, armazenamento e distribuição dos dados científicos da Missão SPORT. As informações da rede de sensores de solo do EMBRACE na região da Anomalia Magnética do Atlântico Sul (AMAS), combinadas com os dados obtidos pelo cubesat, conferem características pioneiras à missão.

O lançamento, de responsabilidade da NASA, será pela Estação Espacial Internacional (ISS). O cronograma prevê o início da missão em março de 2017, sendo que o lançamento e comissionamento da iniciativa deverão ocorrer entre novembro de 2018 e março de 2019, com uma vida útil de um ano, em função da atividade solar no período e a dinâmica de voo para o lançamento da ISS.

Pesquisadores e tecnologistas de várias áreas do INPE participaram do desenvolvimento da proposta agora contemplada pela NASA. Sob o encaminhamento do ITA, está sendo submetido à Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) um projeto temático para o orçamento da parte nacional da missão, bem como sua extensão.


Fonte: Site do Ministério da Ciência,Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTI)

País Desperdiça 30% dos Gastos Com Energia Elétrica Para Iluminar o Céu

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada dia (27/12) no site do “Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTI)” destacando que segundo um estudo do Laboratório Nacional de Astrofísica (LNA), o Brasil desperdiça 30% dos gastos com energia elétrica para iluminar o céu e que esta poluição luminosa já esta prejudicando as pesquisas astronômicas do país.

Duda Falcão

NOTÍCIAS

País Desperdiça 30% dos Gastos Com
Energia Elétrica Para Iluminar o Céu

Além disso, estudo do Laboratório Nacional de Astrofísica, ligado ao MCTIC, revela
que a poluição luminosa prejudica as pesquisas astronômicas, afeta a saúde da
população e provoca uma série de impactos ambientais.

Por Ascom do MCTIC
Publicação: 27/12/2016 | 08:15
Última modificação: 27/12/2016 | 08:48

Crédito: LNA
Itajubá, em Minas Gerais, vista do Observatório do
Pico dos Dias: céu alaranjado acima da cidade.

Um estudo desenvolvido pelo Laboratório Nacional de Astrofísica (LNA), unidade de pesquisa do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), revela como a poluição luminosa compromete as pesquisas científicas que ampliam o conhecimento sobre o universo, promovem o desenvolvimento tecnológico e melhoram a qualidade de vida da população. Além disso, a falta de planejamento para a instalação de luzes artificiais representa um desperdício de 30% nos gastos com energia elétrica e afeta a saúde das pessoas.

"A poluição luminosa causa vários impactos na sociedade, no meio ambiente, nas pesquisas em astronomia e nos seres humanos, aumentando o risco, inclusive, de câncer, devido à supressão da luz noturna sobre a glândula pineal, o que reduz a produção do hormônio melatonina", afirma o coordenador do Observatório do Pico dos Dias do LNA, Saulo Gargaglioni, acrescentando que a melatonina é sintetizada exclusivamente no escuro. "A produção e secreção desse hormônio é inversamente proporcional às exposições ambientais de luz e sua redução tem sido altamente correlacionada com o aumento do risco de câncer de mama. Recentemente, um artigo publicado na revista Nature alerta que o excesso de luz enfraquece os músculos e ossos de roedores."

De acordo com o pesquisador, a poluição luminosa acontece com toda luz noturna externa mal planejada ou direcionada para cima, que não é aproveitada de forma eficiente. "Este tipo de poluição causa um aumento na luminosidade do céu noturno e também o brilho alaranjado visto acima das cidades, que atrapalha a visão das estrelas nos grandes centros, resultado do mau planejamento dos sistemas de iluminação", diz.

Impactos Ambientais

Esse efeito é ainda mais evidente em áreas com alta concentração de poluição atmosférica. O uso de lâmpadas de vapor de sódio mal direcionadas é o que causa o efeito de cor alaranjada. Se o brilho tender para o branco, é devido ao uso de lâmpadas de mercúrio, ainda mais nocivas ao meio ambiente.

"A poluição luminosa pode ocasionar mudanças na orientação e atração dos organismos em locais com iluminação noturna alterada, podendo afetar a reprodução, migração e comunicação das espécies. Algumas aves e répteis que são usualmente diurnos caçam à noite, na presença de luz artificial. Esse comportamento pode ser benéfico para essas espécies, mas não para suas presas, ocasionando, dessa forma, um desequilíbrio ambiental. Pássaros atraídos pela luz dos prédios, torres de transmissão, monumentos e outras construções voam sem cessar em torno da luz até caírem de cansaço ou pelo impacto em alguma superfície", explica Gargaglioni.

A iluminação artificial nas praias também pode ocasionar a desorientação de filhotes de tartarugas marinhas que saem dos ninhos nas praias. Normalmente, os filhotes movem-se em sentido contrário aos ambientes escuros e baixos e seguem em direção ao oceano. Com a presença de luzes artificiais na praia, os filhotes não conseguem diferenciar os ambientes, resultando em desorientação.

Há influência também sobre as plantas. "Elas não florescem se a duração da noite é mais curta do que o período normal, enquanto outras florescerão prematuramente como resultado da exposição ao fotoperíodo necessário para o florescimento."

Prejuízos Para Pesquisa

Situado a 1.864 metros de altitude, entre as cidades mineiras de Brazópolis e Piranguçu, o Observatório do Pico dos Dias tem sua vida útil como laboratório científico comprometida pelo aumento descontrolado da poluição luminosa nos seus arredores. Considerando o número de habitantes e a distância em linha reta ao centro de pesquisas, as cinco cidades que mais o afetam são Brazópolis, Itajubá, Piranguçu, Campos do Jordão e Piranguinho.

O Pico dos Dias é, atualmente, o principal espaço de observações astronômicas em solo brasileiro. Quatro telescópios estão em operação no local, inclusive o maior no Brasil, com um espelho de 1,6 metro de diâmetro.

Em operação desde 1980, o Observatório contribuiu decisivamente para o crescimento da astronomia brasileira, abrindo caminho para a participação do país em projetos internacionais de grande porte, como os telescópios Gemini e Soar. Tem ainda papel fundamental na formação de novos profissionais para a astronomia.

Como Evitar

O pesquisador Saulo Gargaglioni lembra que medidas simples podem diminuir a poluição luminosa nas cidades. A escolha de luminárias e lâmpadas adequadas para iluminação externa e o seu correto posicionamento em relação ao solo são suficientes para conter e até reverter os efeitos da luz excessiva, além de diminuir os gastos da administração pública com os sistemas de iluminação e liberar o céu para observação. As lâmpadas LED, cada vez mais utilizadas nos espaços urbanos, têm contribuído para o aperfeiçoamento dos sistemas de iluminação pública. "Normalmente, as luminárias com LED são instaladas no ângulo correto, ou seja, mais próximo de 90° do poste ou ponto de fixação", explica.

Mas, para Gargaglioni, a poluição luminosa é um assunto que precisa incluir toda a população. "Infelizmente, esse tema é pouco conhecido pelo público e também pelos formadores de opinião, que poderiam ter um papel importante na disseminação da informação", aponta.

Legislação

A legislação brasileira ainda é pouco abrangente nesse campo, somando apenas três leis. A primeira, criada pelo Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais (Ibama), visa à proteção das tartarugas marinhas, espécie muito tempo ameaçada de extinção no Brasil e no mundo. A portaria nº 11, de 30 de janeiro de 1995, protege os animais em determinadas áreas de desova e alimentação, preservando ovos, filhotes ou animais adultos.

"Em Campinas [SP], e em Caeté [MG], há leis municipais criadas para proteger o entorno dos observatórios instalados nessas regiões. Em diversos países, foram adotadas medidas para minimizar os problemas da poluição luminosa. Os Estados Unidos foram o primeiro país a criar uma legislação para combater os efeitos nocivos. Itália, Espanha e Chile também têm suas legislações. Já a República Tcheca foi o primeiro país a aprovar uma legislação federal para resolver o problema, em 2002", enumera o pesquisador.

Em sua dissertação de mestrado intitulada "Análise legal dos impactos provocados pela poluição luminosa do ambiente" (Unifei, 2007), Gargaglioni apresenta um anteprojeto de lei que tem a finalidade de combater a poluição luminosa com a regulamentação de instalações de iluminação externas e internas, públicas e privadas.

Acesse o estudo desenvolvido pelo LNA.


Fonte: Site do Ministério da Ciência,Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTI)

A Humanidade na Era Espacial

Olá leitor!

Segue abaixo mais um artigo do Sr. José Monserrat Filho postada ontem (26/12) pelo companheiro André Mileski em seu "Blog Panorama Espacial".

Duda Falcão

A Humanidade na Era Espacial

“... visualizo em nossos dias um grande esforço, por parte da doutrina
jurídica mais lúcida, de retorno às origens, que corresponde um
processo histórico de humanização do Direito Internacional.”
Antônio Augusto Cançado Trindade (1)

José Monserrat Filho *
26/12/2016

O termo “humanidade” mereceu posição de realce no Tratado do Espaço de 1967, a lei maior do espaço e das atividades espaciais, cujo longo nome oficial – “Tratado sobre Princípios Reguladores das Atividades dos Estados na Exploração e Uso do Espaço Cósmico, Inclusive a Lua e Demais Corpos Celestes” (2), foi-lhe dado certamente para explicitar seus objetivos mais gerais.

O Tratado do Espaço menciona quatro vezes a humanidade. É uma de suas distinções, com especial significado jurídico. Será a humanidade sujeito do Direito Espacial Internacional? O tema ganhou atualidade com a intensificação da globalização econômica, que supostamente viria satisfazer necessidades e anseios de todos os povos, mas que, na verdade, está cada vez mais distante desse objetivo, sem nunca “fortalecer as vozes do Terceiro Mundo”. (3) Qual poderia ser o papel da humanidade – vasta e majoritária, mas impotente e descartada – na governança do mundo?

Ou terá sido por vivermos na “Era Planetária”, na definição holista e esperançosa de Edgar Morin? Para Morin e Kern, em Terra-Pátria, “a era planetária se inaugura e se desenvolve na e através da violência, da destruição, da escravidão, da exploração feroz das Américas e da África. É a idade de ferro planetária, na qual estamos ainda”, mas “é também a aspiração, neste início do século XXI, à unidade pacífica e fraterna da humanidade”. (4)

O preâmbulo do Tratado do Espaço, já em seus primeiros considerandos inspira-se “nas vastas perspectivas que a descoberta do espaço cósmico pelo homem oferece à humanidade” e reconhece “o interesse que apresenta para toda a humanidade o programa da exploração e uso do espaço cósmico para fins pacíficos”. São enfoques que se completam dialeticamente: de um lado, o espaço descoberto pelos humanos escancara imenso potencial de benefícios para a humanidade; de outro, a humanidade tem tudo para se interessar pela exploração e uso pacíficos do espaço.

O artigo 1º (§ 1ª) do Tratado estabelece a “Cláusula do Bem Comum”, determinando que “a exploração e o uso do espaço cósmico, inclusive da Lua e demais corpos celestes, deverão ter em mira o bem e interesse de todos os países, qualquer que seja o estágio de seu desenvolvimento econômico e científico, e são incumbência de toda a humanidade”. Ou seja, é tarefa, encargo, compromisso, dever, obrigação e responsabilidade (sinônimos de incumbência) da humanidade fazer com que a exploração e o uso do espaço sejam sempre realizados para o bem e no interesse de todos os países, independentemente de seu nível de avanço econômico e científico. A humanidade seria, então, o promotor e o fiador do bem comum nas atividades espaciais.

O artigo 5º do Tratado considera os astronautas como “enviados da humanidade no espaço cósmico”, título que também se aplica aos cosmonautas da ex-União Soviética e da Rússia, bem como aos taikonautas da China. A norma parece homenagem, mas, na realidade, tem um sentido prático e necessário, em plena guerra fria dos anos 60 em diante: cria a obrigação de prestar toda assistência possível aos astronautas em caso de acidente, perigo ou aterrissagem forçada em outro país que não o seu ou em alto-mar, e de retorná-lo a seu país de origem junto com seu veículo espacial, o mais rapidamente possível e em total segurança. Cria também mais duas obrigações: a de que os astronautas de um país prestem toda assistência possível aos astronautas dos outros países e a de que cada país informe de imediato aos demais países e ao Secretário-Geral da Organização das Nações Unidas qualquer fenômeno que tenha descoberto no espaço, na Lua e nos outros corpos celestes, capaz de constituir perigo à vida ou à saúde dos astronautas. Note-se que os astronautas eram e muitos ainda são militares integrados às estratégias das Forças Armadas de seus países.

O Acordo que Regula as Atividades dos Estados na Lua e em Outros Corpos Celestes, de 1979, conhecido como “Acordo da Lua”, integra o quinteto de tratados aprovados pelas Nações Unidas, embora tenha sido ratificado por apenas 16 países e assinado por outros quatro. (5)

Em seu Artigo 4º, o Acordo da Lua repetem o Artigo 1º (§ 1º) do Tratado do Espaço, afirmando que “a exploração e o uso da Lua são incumbência de toda a humanidade e se realizam em benefício e no interesse de todos os países, qualquer que seja o estágio de seu desenvolvimento econômico ou científico”.

Mas tem o mérito de adotar duas novas disposições, em termos irrecusáveis: “Especial atenção deve ser dada aos interesses das gerações presentes e futuras, bem como à necessidade de promover níveis de vida mais elevados e melhores condições de progresso e desenvolvimento econômico e social, em conformidade com a Carta da Organização das Nações Unidas”.

Preparado em grande parte pelos países em desenvolvimento ao longo dos anos 70 – década em que os chamados países não alinhados tiveram importante atuação no cenário internacional –, o Acordo da Lua estabelece o princípio da relevância intergeneracional e ressuscita o amplo compromisso social adotado pela Carta das Nações Unidas na promoção de  “níveis de vida mais elevados e melhores condições de progresso e desenvolvimento econômico e social”.

O Acordo da Lua tem sua maior contribuição no Artigo 11, que começa estabelecendo, no § 1º, que “a Lua e seus recursos naturais são patrimônio comum da humanidade”. O § 2º reafirma e adapta o Artigo 2 do Tratado do Espaço: “A Lua não pode ser objeto de apropriação nacional por proclamação de soberania, por uso ou ocupação, nem por qualquer outro meio”. E o § 3º detalha esse princípio da não-apropriação: “A superfície e o subsolo da Lua, bem como partes da superfície ou do subsolo e seus recursos naturais, não podem ser propriedade de qualquer Estado, organização internacional intergovernamental ou não-governamental, organização nacional ou entidade não-governamental, ou de qualquer pessoa física. O estabelecimento na superfície ou no subsolo da Lua de pessoal, veículos, material, estações, instalações e equipamentos espaciais, inclusive obras vinculadas indissoluvelmente à sua superfície ou subsolo, não cria o direito de propriedade sobre sua superfície ou subsolo e suas partes. Estes dispositivos não devem prejudicar o regime internacional referido no § 5º deste Artigo.”

O § 5º propõe a criação de um regime internacional para ordenar a exploração dos recursos naturais da Lua: “Os Estados-Partes se comprometem (...) a estabelecer um regime internacional, inclusive os procedimentos adequados, para regulamentar a exploração dos recursos naturais da Lua, quando esta exploração estiver a ponto de se tornar possível”.

O § 6º reza que, para facilitar a criação do regime Internacional, os Estados-Partes devem informar ao Secretário-Geral da ONU, ao grande público e à comunidade científica internacional, da forma mais ampla e prática possível, “sobre todos os recursos naturais que eles possam descobrir na Lua”. É o princípio da transparência, para fomentar a cooperação no mais alto grau possível.

E o § 7º alinha os principais objetivos do regime internacional, frisando que pode haver outros. São eles, conforme o texto do Acordo:

a) Assegurar o aproveitamento ordenado e seguro dos recursos naturais da Lua;

b) Assegurar a gestão racional destes recursos;

c) Ampliar as oportunidades de utilização destes recursos; e

d) Promover a participação equitativa de todos os Estados-Partes nos benefícios auferidos destes recursos, tendo especial consideração para os interesses e necessidades dos países em desenvolvimento, bem como para os esforços dos Estados que contribuíram, direta ou indiretamente, na exploração da Lua.”

Muito se tem debatido sobre o conceito de patrimônio comum da humanidade, contido no Acordo da Lua e na Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar, de 1982 (7). Isso é sempre positivo, claro. No caso, porém, o importante é que, sendo ou não universalmente aceito o princípio de patrimônio comum da humanidade, o espaço e os corpos celestes são res communis omnium – bem comum a todos –, que não pode de modo algum ser objeto de apropriação, e sua exploração e uso devem atender ao bem e ao interesse de todos os países, como incumbência de toda a humanidade – conforme rezam o Artigo 2º e o Artigo 1º (§ 1º) do Tratado do Espaço.

Por isso, a ideia de se criar um regime internacional para gerir racionalmente a explotação dos recursos naturais da Lua e dos demais corpos celestes, inclusive dos asteroides, bem como a de “promover a participação equitativa de todos os Estados-Partes nos benefícios auferidos destes recursos” é perfeitamente alinhada e coerente com a “Cláusula do Bem Comum”.

Baseadas na lei nacional dos EUA, sancionada em 25 de novembro de 2015 (8), conferindo o título de propriedade privada às empresas norte-americanas que extraírem recursos naturais (minerais) de corpos celestes, empresas desta e de outras potências espaciais mobilizam-se para justificar legalmente a nova situação, que modifica totalmente o marco jurídico internacional em vigor, fundado no Tratado do Espaço. Aparentemente, o embate se trava só no campo do Direito, mas o movimento é poderoso e avassalador, pois, segundo se informa, envolve interesses e negócios estimados em trilhões de dólares. (9)

O Acordo da Lua não pode ser ignorado nessa discussão histórica. Ele oferece uma solução mais que razoável. O que parece em jogo é o rumo das atividades espaciais neste século. Vamos priorizar o direito público humanizado e democrático ou o direito privado dominador, dentro do rigor neoliberal, que até hoje não deu certo em nenhum lugar do nosso planeta?

A humanidade ainda não é sujeito do Direito. Falta-lhe uma instituição para representá-la e falar em seu nome legitimamente. Mas ceio que ela já é a maior destinatária do Direito Internacional e também do Direito Espacial Internacional. Essa posição continuará crescendo na medida em que aumente a consciência dos países e povos sobre o caráter global dos prolemas – paz, justiça social, saúde e educação, clima, aquecimento geral, meio ambiente etc. –, a interdependência e interconexão de todos os habitantes do planeta, e a necessidade de união, solidariedade e cooperação para enfrentá-los e solucioná-los de modo muito mais justo, eficiente e racional.

Desse ponto de vista, o debate sobre a explotação dos recursos espaciais é apenas um item importantíssimo do quadro geral em que vivemos, que pede nossa mais ativa participação.

Daí que urge uma ética do debate. Edgar Morin escreve a respeito: “A regra do debate é inerente às instituições filosófica, científica e democrática. A ética do debate vai mais longe ainda: exige a primazia da argumentação e a rejeição da anatematização. Longe de descartar a polêmica, ela a utiliza, mas rejeita todos os meios vis, todos os argumentos de autoridade, assim como quaisquer tipos de rejeições pelo desprezo, quaisquer insultos sobre as pessoas.” (10)

Em suma, não se pode tratar quem pensa diferente como se fosse um inimigo intolerável.

* Vice-Presidente da Associação Brasileira de Direito Aeronáutico e Espacial (SBDA), Diretor Honorário do Instituto Internacional de Direito Espacial, Membro Pleno da Academia Internacional de Astronáutica (IAA) e ex-Chefe da Assessoria Internacional do Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e da Agência Espacial Brasileira (AEB). E-mail: jose.monserrat.filho@gmail.com.

Referências

1) A.A. Cançado Trindade, O Direito Internacional em um Mundo em Transformação, Rio de Janeiro: Renovar, 2002, p. 1083.

2) Ver texto completo em www.sbda.org.br.

3) Stiglitz, Joseph E., Globalização: como dar certo, São Paulo: Companhia das Letras, 2007, p. 38.

4) Morin, Edgar, e Kern, Anne Brigitte, Terra-Pátria, Porto Alegre: Sulina, 2011, p. 23-27.

5) Ver texto completo em www.sbda.org.br

6) Datonou, Dieudonné. Du concept de patrimoine commun de l'humanité aux droits de l'humanité: etude historico-juridique du concept de patrimoine commun de l'humanité en droit international, Roma: Pontificia Università Lateranense, 1995.


8) H.R.2262 - U.S. Commercial Space Launch Competitiveness Act. Ver texto completo em https://www.congress.gov/bill/114th-congress/house-bill/2262.


10) Morin, Edgar, A Ética do Sujeito Responsável, in Ética, Solidariedade e Complexidade, com textos de Edgard de Assis Carvalho, Maria da Conceição de Almeida, Nelly Novaes Coelho, Nelson Fiedler-Ferrara e Edgar Morin, São Paulo: Palas Ahenas, 1998, p. 73.


Fonte: Blog Panorama Espacial - http://panoramaespacial.blogspot.com.br/