sábado, 28 de fevereiro de 2015

Regulamentação das Atividades de Grupos Amadores de Espaçomodelismo

Olá leitor!

Por solicitação do prof. Carlos Henrique Marchi da Universidade Federal do Paraná (UFPR) informo de que durante a realização do "Festival de Minifoguetes de Curitiba 2015" haverá uma sessão (provavelmente no dia 18/04) dedicada à “Regulamentação das Atividades de Grupos Amadores de Espaçomodelismo”, o que é uma grande notícia e uma de nossas lutas.

Diante disto, o Prof. Marchi solicita aos interessados que enviem o mais breve possível as suas ideias e sugestões para o e-mail (chmcfd@gmail.com), visando assim apresentá-las durante a realização do Festival.

Duda Falcão

Mais Um Lançamento de Foguete Brasileiro Poderá Ocorrer em Março da Base de Andoya

Olá leitor!

Se a fonte do Blog estiver correta, além da “Operação WADIS-2”, já em curso, outra operação de lançamento de foguete deverá ser realizada em março deste ano do Andoya Space Center (ASC), na Noruega, esta relacionada com o Programa Hypersonic International Flight Research Experimentation (HIFiRE), programa este que está sendo desenvolvimento por instituições da Austrália, dos EUA e da Alemanha,  tendo como objetivo formar a base tecnológica para a futura aeronave supersônica de voos mais rápidos em longas distâncias. Por conta disto a empresa fabricante de aeronaves americana Boeing é uma das parceiras no programa.

Bom leitor, nas duas únicas vezes que um foguete brasileiro foi usado nas operações de lançamento deste programa, ou seja, mais especificamente o foguete VS-30/Orion, o mesmo falhou na segunda missão, e por conta disto o experimento terá de ser repetido. Tratou-se da “Operação HIFIRE-5”, está lançada do Andoya Space Center em 25/04/2012 (veja aqui).

Já para está nova missão denominada de “Operação HIFIRE-7”, segundo informações colhidas anteriormente pelo Blog, inicialmente seria usado um outro foguete VS-30/Orion, mas existem indícios na net de que o foguete que agora será usado é VSB-30, e se isto se confirmar, está será a primeira vez na história que um foguete VSB-30 será lançado da Base de Andoya, na Noruega.

Duda Falcão

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Crise na Ucrânia Pode Resultar em Calote de 2 Bilhões de Reais ao Brasil

Olá leitor!

No Blog do Ricardo Setti do site da Revista Veja, foi postado dia 26/02 uma interessante matéria sobre o PEB, esta publicada na edição impressa desta revista e tendo como destaque o desastroso acordo Brasil/Ucrânia que criou um desatino pré-anunciado chamado Alcântara Cyclone Space (ACS).

Duda Falcão

Política & Cia

Crise na Ucrânia Pode Resultar em
Calote de 2 Bilhões de Reais ao Brasil

UM CALOTE ESPACIAL

Ao interromper um projeto de lançamento de satélites com
a Ucrânia, o Brasil pode ter um prejuízo de 2 bilhões de reais

Reportagem de Leonardo Coutinho
publicada em edição impressa de VEJA

26/02/2015 às 19:50

Em 2003, o então presidente Lula criou, em parceria com a Ucrânia, a empresa binacional Alcântara Cyclone Space (ACS), para a construção de uma nova geração de foguetes e de uma base de lançamento em Alcântara, no Maranhão. O acordo previa para 2006 a estreia do país no bilionário mercado de satélites.

A Ucrânia se comprometeu a arcar sozinha com a produção do foguete, e os custos das obras civis seriam divididos por igual entre os dois países. A base, porém, só começou a sair do papel cinco anos depois da data prevista para a inauguração. E, em março de 2013, as obras foram paralisadas por falta de pagamento. A ACS deve 96 milhões de reais às empreiteiras.

A Ucrânia acusa o Brasil de ter parado de investir no projeto, que já consumiu o equivalente a 2,6 bilhões de reais dos cofres públicos de ambos os países. Em 2013, dos 546 milhões de reais prometidos pelo Brasil, apenas 12% foram efetivamente transferidos para a ACS. No ano passado, o repasse representou só 3% dos 431 milhões de reais previstos.

Há duas semanas, o presidente da Agência Espacial Estatal da Ucrânia, Oleh Uruskyi, enviou ao ministro Aldo Rebelo, da Ciência e Tecnologia, uma carta afirmando que, como o Brasil deixou de cumprir com suas obrigações, seu país pagou 50,1 milhões de dólares – cerca de 144 milhões de reais – às construtoras, como um esforço derradeiro para salvar o projeto.

Kiev enviou outras cinco correspondências oficiais pedindo um posicionamento do Brasil. Nenhuma foi respondida, nem mesmo uma assinada pelo presidente Petro Poroshenko e endereçada a Dilma Rousseff em julho do ano passado.

(Foto: Alcântara Cyclone Space)
QUASE PRONTO — Com 80% do projeto concluído,
a Ucrânia procura outro sócio 

Quem mais tem a perder com o calote é o Brasil. O governo da Ucrânia estuda sair do projeto e associar-se a outro país para lançar o foguete, que já está 80% concluído. O Brasil será cobrado nas cortes internacionais para ressarcir o equivalente a 822 milhões de reais gastos pelos ucranianos. O Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação diz, em nota, que o projeto não foi suspenso, e que a crise política na Ucrânia “gerou grandes incertezas e prejudicou a interlocução em curso”.

Uma explicação plausível é que o Brasil cedeu a pressões da Rússia, que apoia a guerra separatista no leste da Ucrânia, para abandonar a parceria espacial. Documentos internos do Itamaraty divulgados no passado revelaram que o chanceler russo pediu ao Brasil que não condenasse a atuação da Rússia na Ucrânia. No que foi prontamente atendido.


Fonte: Site da Revista Veja  - http://veja.abril.com.br/

Comentário: Pois é leitor desde o início desta desastrosa aventura capitaneada por questões de ordem exclusivamente política de apoio ao PSB (partido que na época fazia parte da bancada de apoio do governo no Congresso e ao qual o pré-anão era uma de suas maiores referencias) por um debiloide pré-anão irresponsável (que deveria estar preso e a chave jogada fora) e apoiada pelo seu presidente humorista, a  parte da Comunidade Espacial e Científica do país, séria,  responsável e comprometida com o programa,  foi terminantemente contra, não só pelo que o mesmo representaria para os projetos em curso de veículos lançadores do país, bem como pelo fato do mesmo não apresentar qualquer vantagem para o Brasil que justificasse este acordo, seja ele de ordem comercial ou tecnológica, além de trazer para o Brasil uma tecnologia ultrapassada e altamente tóxica sem qualquer necessidade para isto. Se esses números agora apresentados nesta matéria forem realmente reais demonstram o quanto custou aos cofres públicos esta irresponsabilidade política do ex-presidente LULA e seu debiloide de plantão, endossada também pela equipe da “Ogra” (o Menestrel Bigodudo e o Raupp)  por não terem ouvido quem entendia do assunto. Entretanto, note que segundo a matéria, após ter chegado a 80% do desenvolvimento do foguete, grande parte com recursos do povo brasileiro, a Ucrânia esta querendo cair fora, o que a tornaria a grande beneficiada com toda esta história, caso realmente venha conseguir outro sócio (outro país otário) que aceite também lançar este trambolho toxico de seu território.  Não foi por falta de aviso leitor, mas como temos dito em nossos comentários, esta classe política é capaz de fazer coisas absurdas em prol dos seus interesses que inicialmente partem da conquista e da evidentemente manutenção deles no poder gerada pela ignorância do povo brasileiro. Ninguém em Brasília ou em qualquer nível de governo neste país (com raríssimas exceções) estão realmente interessados em construir um país de verdade, um estado desenvolvido e próspero, uma cidade exemplo para a humanidade. Na verdade esses energúmenos, sejam eles do PT, PMDB, PSDB, e do escambal a quatro, estão interessados em saquear a nação e eles leitor são frutos da cultura que hoje impera na Sociedade Brasileira como um todo, principalmente entre aqueles que fazem parte da sociedade dominante. O Brasil está condenado como Nação pela estupidez de seu povo e como dizia o ex-presidente americano Lyndon Johnson: “Se há um idiota no poder os que o elegeram estão bem representados”, não esquecendo  também da famosa frase de outro ex-presidente americano, o estadista John Kennedy:  “Não pergunte o que a América pode fazer por você, e sim o que você pode fazer pela América”, parece piada, né? Pode até parecer para você, mas a verdade é que eles construíram a maior nação do planeta e nos ainda não passamos de um Território de Piratas. A Máfia italiana, a Yacuza japonesa, a Máfia Russa e as células terroristas que podem já estarem instaladas no país, agradecem. Viva a Pirataria, a festa do interior e tudo acaba em Pizza, pelo menos até o momento em que começarem a explodir bombas pelos quatro cantos do país.

Para Comunidade Científica PEC da Inovação Transforma a Ciência do País

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada hoje (27/02) no site da “Agência Espacial Brasileira (AEB)”, destacando que para Comunidade Científica Brasileira a "Proposta de Emenda à Constituição (PECda Inovação",  aprovada ontem (26/02), no Congresso Nacional, transformará a Ciência do País.

Duda Falcão

Para Comunidade Científica PEC da
Inovação Transforma a Ciência do País

Agência Gestão CT&I


Brasília, 27 de fevereiro de 2015 – O mecanismo que cria um ambiente jurídico favorável para o estabelecimento do novo marco legal para ciência, tecnologia e inovação (CT&I) no país foi aprovado ontem (26) no Congresso Nacional, para ser acrescentado à Constituição Federal. Parlamentares e representantes da comunidade científica comemoraram a promulgação da Emenda Constitucional (EC) n° 85/2015, a chamada PEC da Inovação.

“A emenda que nós promulgamos é um marco para o desenvolvimento científico no nosso País. Ao alterar e adicionar dispositivos na Constituição e atualizar o tratamento dado à ciência, tecnologia e a inovação, permite que o Brasil de uma arrancada nos conhecimentos científicos, setor ainda muito carente na nossa cultura”, disse o presidente do Senado e do Congresso, Renan Calheiros (PMDB-AL).

O texto partiu da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 290/2013, de autoria da deputada Margarida Salomão (PT-MG), que foi aprovada em abril de 2014 pela Câmara dos Deputados e em dezembro pelo Senado. A matéria muda vários dispositivos constitucionais para melhorar a articulação do Estado com as instituições de pesquisa públicas e privadas.

Na avaliação do deputado Sibá Machado (PT-AC), duas das principais conquistas adquiridas pela emenda serão: a criação de um sistema nacional que integre os trabalhos da União, dos estados e dos municípios, para melhorar o intercâmbio de conhecimentos; e a ampliação do universo de entidades que podem receber apoio financeiro do poder público, auxiliando também as instituições de educação profissional e tecnológica que produzem pesquisas.

“Um gargalo que achei que jamais conseguiríamos superar era tirar o espectro dos anos 1970 e 1980 de que empresa e Estado não se misturam. Que não se podia contribuir o papel da universidade pública com a empresa privada, e isto está posto na PEC”, disse o parlamentar.

O ministro de Ciência, Tecnologia e Inovação, Aldo Rebelo, ressaltou que a emenda poderá ampliar as responsabilidades e as atribuições do Estado diante das necessidades de CT&I para o país. “Ela incorpora expressões que estavam fora do texto constitucional e, portanto, fora da apreciação legal. Acho que a comunidade científica e o país dispõem de um horizonte muito mais amplo e muito mais completo para as necessidades de CT&I em todos os domínios da vida social”, comemorou.

Futuro – A presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), Helena Nader, celebrou as mudanças que a emenda traz à Constituição e, com isso, o suporte que trará para o setor de CT&I. “O país deixou de forma muito clara a importância e o reconhecimento que dá as atividades de CT&I. Agora, esse é o começo”, projetou.

Segundo Machado, a promulgação abrirá as portas para que outros complementos possam ser feitos na legislação. Ele relacionou as matérias prioritárias do setor a serem apreciados em seguida: o Projeto de Lei [PL] 2177/2011, o Regime Diferenciado de Contratações (RDC) voltado para CT&I, a revisão da Lei de Patentes (Lei 9.279/1996) e a conclusão da tramitação da Lei de Acesso ao Patrimônio Genético, que será apreciada em regime de urgência pelo Senado.


Fonte: Site da Agência Espacial Brasileira (AEB)

Comentário: É realmente um avanço, mas sinceramente não temos as mesmas expectativas dos que opinaram nesta notícia, já que desenvolvimento científico e tecnológico, principalmente inovação, se faz com dinheiro e real compromisso, coisa que não existe por parte da Classe Política Brasileira. O negócio deles é outro. É só olhar leitor a história deste país desde o seu início e mais recentemente e comparar com a de outras nações de verdade espalhadas pelo mundo. Além do mais, enquanto um simples parafuso levar um ano para chegar ao seu solicitante devido a problemas alfandegários e burrocraticos causados pela estúpida Lei de Licitações e Contratos da Administração Pública, mais conhecida como Lei Nº 8666, jamais faremos inovação de verdade neste país. Enfim, ta aí a notícia.

Grupo Divulga Previsão Climática Para o Próximo Trimestre

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada hoje (27/02) no site da “Agência Espacial Brasileira (AEB)”, destacando que o Grupo de Trabalho em Previsão Climática Sazonal (GTPCS) divulgou Previsão Climática para o próximo trimestre.

Duda Falcão

Grupo Divulga Previsão Climática
Para o Próximo Trimestre

MCTI


Brasília, 27 de fevereiro de 2015 – A previsão do clima para os próximos meses de março, abril e maio é de chuva abaixo da média nas regiões Norte e Nordeste, havendo maior probabilidade de chuva acima da média para a parte norte do Nordeste e precipitação dentro da média na Região Sul.

Os dados são do Grupo de Trabalho em Previsão Climática Sazonal (GTPCS) do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI). Colaboraram no levantamento, técnicos do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme), de centros estaduais de meteorologia e outros órgãos ligados à área.

Para a Região Sudeste, a tendência é de diminuição de chuva nos próximos meses. Com relação à temperatura, o documento aponta que deve variar entre normal e acima da média no centro-sul e no norte das regiões Norte e Nordeste.

Participam do grupo de trabalho, instituído pelo MCTI em novembro de 2013, as principais lideranças na área de previsão climática no país. Entre elas, estão pesquisadores do Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC) e do Centro de Ciência do Sistema Terrestre (CCST) do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE); do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (CEMADEN), e do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA).

A cada mês os especialistas se reúnem para traçar prognósticos para o trimestre seguinte. O objetivo é dar subsídios aos tomadores de decisões sobre o cenário climático que se aproxima.


Fonte: Site da Agência Espacial Brasileira (AEB)

Republicada a Portaria de Nomeação de Aprovados em Concurso Público do INPE

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada ontem (26/02) no site do “Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)” destacando que foi republicada a Portaria de Nomeação de aprovados em concurso público do INPE.

Duda Falcão

Republicada a Portaria de Nomeação
de Aprovados em Concurso Público

Quinta-feira, 26 de Fevereiro de 2015

O Diário Oficial da União republicou nesta quinta-feira (26/2) a Portaria MCTI no 44/2015, que autoriza a nomeação dos aprovados em concurso público a assumir cargos da carreira de Desenvolvimento Tecnológico no Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).


Todos os editais e informações sobre o concurso público no INPE podem ser acessados a partir da página:



Fonte: Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)

Capacitación a Profesionales de la CONAE sobre “Color de Océano”

Hola Lector!

A continuación se muestra una nota publicada ayer (26/02) en el sitio de la "Comisión Nacional de Actividades Espaciales (CONAE)" de Argentina, señalando que la CONAE organizó el curso "Ocean Color" en aplicaciones de teledetección para la observación del color del océano que tiene meta capaciatar sus investigadores para cumplir con el proyecto del Satélite Argentino-Brasileño SABIAMAR.

Duda Falcão

DESTACADO

Capacitación a Profesionales de la
CONAE sobre “Color de Océano”

Prensa CONAE
26 de Febrero 2015

Fotografía e imágen: CONAE
En el curso “Ocean Color” en el Centro Espacial
de la CONAE, profesionales de las áreas de segmento terreno,
operación, aplicaciones y ciencia, se capacitan para la próxima
misión satelital argentino-brasilera SABIAMAR.

La Comisión Nacional de Actividades Espaciales (CONAE) del Ministerio de Planificación Federal e Inversión Pública organizó el Curso “Ocean Color” sobre aplicaciones de los sensores remotos a la observación del color del océano, brindado por expertos de la NASA, provenientes del Centro de Vuelo Espacial Goddard y de la Universidad de Cornell, de los Estados Unidos. Esta vinculación se da en el marco de la cooperación vigente entre ambas agencias espaciales, y en particular con la fructífera experiencia de trabajo conjunto entre CONAE y NASA en la Misión SAC-D Aquarius, actualmente en órbita.

El curso se desarrolla en el Centro Espacial Teófilo Tabanera de la CONAE en la provincia de Córdoba, desde el 23 de Febrero al 6 de Marzo de 2015. Tiene el objetivo de capacitar y entrenar a profesionales y técnicos de las áreas de segmento terreno, operación, aplicaciones y ciencia que se desempeñarán en distintas instancias de la próxima misión satelital argentino-brasilera SABIAMar, la cual está actualmente en desarrollo.

Durante dos semanas los instructores Bruce Monger, de Cornell University, Sean Bailey, Jeremy Werdell y Liang Hong, del Centro Goddard de la NASA, comparten experiencias y brindan entrenamiento en temas relacionados a calibración, validación, procesamiento, desarrollo de algoritmos, generación de productos y aplicaciones oceanográficas de datos provenientes de misiones satelitales para estudio de mares y océanos.

Este curso se orienta a la capacitación del equipo que trabajará en la nueva misión satelital SABIAMar actualmente en desarrollo, en cooperación entre la CONAE y la Agencia Espacial Brasilera (AEB) y el Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).

La misión, integrada por dos satélites, SABIAMAR 1 y SABIAMAR 2, estará dedicada a observar costas, mares y océanos, con especial atención sobre América del Sur; para estimar  la concentración de clorofila y otras variables como el contenido de sedimentos y materia orgánica. Los datos obtenidos mediante estos satélites desde el espacio, permitirán mejorar el conocimiento de los procesos y dinámica costeros, marinos y oceánicos, los cuales tienen un aporte   directo sobre la estimación de la producción primaria en el mar, aportes para el manejo racional de la actividad pesquera, de gran importancia para nuestro país, como así también contribución a la determinación de  biomasa, estudios sobre biodiversidad y cambio climático.


Fuente: Website de la CONAE  - http://www.conae.gov.ar

Comentario en español: Se observa por la noticia de que el lado argentino del proyecto SABIAMAR continúa en la agenda. Sin embargo, en relación a Brasil hasta el momento no se han registrado avances en los medios de comunicación e incluso el presidente incompetente de la AEB, el Sr. Braga Coelho, se atrevió a revelar cualquier noticia en la prensa. El proyecto en sí, sin duda, es muy relevante y debería haber llevado a cabo desde el comienzo de la última década, al menos uno de los satélites, pero lamentablemente esto no ocurrió y me temo (si esta situación política y cultural sigue) que se toma muy en más de una década para que esto suceda, es decir, si los argentinos realmente esperan que Brasil.

Comentário em Português:  Nota-se por esta notícia que pelo lado Argentino o projeto SABIAMAR continua em pauta. Entretanto em relação ao Brasil até o momento nenhum avanço foi registrado pela mídia e nem mesmo o incompetente presidente da AEB, o Sr. Braga Coelho, se arriscou a divulgar alguma notícia pela imprensa. O projeto em si não resta dúvida é bastante relevante e já deveria ter sido realizado desde o início da década passada, pelo menos um dos satélites previstos, mas infelizmente isto não aconteceu e temo (se esta conjuntura política e cultural continuar) que leve muito mais de uma década para que isto possa acontecer, isto é, se realmente os argentinos esperarem pelo Brasil.

MECTRON - Computador de Missão Embarcado - Tecnologia Inédita no Brasil

Olá leitor!

Segue abaixo uma notícia interessante publicada ontem (26/02) no site “Defesanet.com” destacando que a empresa MECTRON concluiu o projeto do Computador de Missão Embarcado, que segundo o site é uma tecnologia inédita no Brasil.

Duda Falcão

COBERTURA ESPECIAL - Base Industrial Defesa – Tecnologia

MECTRON - Computador de Missão
Embarcado - Tecnologia Inédita no Brasil

MECTRON conclui projeto de Computador de Missão Embarcado
- tecnologia inédita no Brasil

26 de Fevereiro, 2015 - 20:00 ( Brasília )

Foto – MECTRON
A MECTRON, subsidiária da Odebrecht Defesa e Tecnologia,
concluiu o projeto de um Computador de Missão utilizando a
arquitetura OpenVPX, tecnologia considerada estado-da-arte em
módulos eletrônicos embarcados.

A MECTRON, subsidiária da Odebrecht Defesa e Tecnologia, concluiu o projeto de um Computador de Missão utilizando a arquitetura OpenVPX, tecnologia considerada “estado-da-arte” em módulos eletrônicos embarcados, caracterizada por sua versatilidade, compactação e operação em ambientes críticos em plataformas do setor defesa e aeronáutico como aeronaves (tripuladas ou não), veículos blindados, armamentos inteligentes e outras.

Computadores de Missão são assim chamados por serem utilizados para gerenciamento dedicado e independente de diversos subsistemas das plataformas onde estão instalados. Por exemplo, numa aeronave, diferentes computadores de missão controlam independentemente cada um de seus subsistemas: de navegação, de comunicação, de armamentos etc.

O modelo funcional do Computador de Missão projetado pela MECTRON engloba tanto a parte de hardware como de software, sendo composto por:

· Um SBC (Single Board Computer), computador numa única placa eletrônica, com alta capacidade de processamento e memória, para aplicações embarcadas;

· Um módulo DIM (Módulo de Interface Digital), placa de interfaces digitais;

·  Um módulo AIM (Módulo de Interface Analógica), placa de interfaces analógicas, e,

·  Aplicativo de missão Moving Map.

O SBC possui processador quad-core de 1,5 GHz, 2 GB de memória RAM DDR3, 8 GB de memória flash SATA, barramentos PCI Express 2.0 e interface ethernet, entre outras interfaces. Provendo grande modularidade e versatilidade, os módulos desenvolvidos dispõem de barramentos e interfaces comuns em aeronaves, resultando num computador de missão para uso geral, facilmente configurável para uso em diferentes tipos de plataformas.

Para atendimento aos requisitos desta tecnologia inédita no país, foi fundamental firmar parcerias estratégicas com fornecedores, fortalecendo a qualificação e o desenvolvimento tecnológico do segmento.

Uma parcela deste projeto, o primeiro desenvolvido no Brasil com esta tecnologia, contou com apoio da FINEP - Inovação e Pesquisa, empresa pública do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. Também foi desenvolvido pela Mectron um equipamento para simulação do ambiente operacional de aeronaves, também conhecido como “Rig de Aviônicos”.

Com o sucesso alcançado nos testes funcionais dos modelos de engenharia deste Computador de Missão Embarcado, a MECTRON busca agora viabilizar a realização de ensaios ambientais para qualificação do equipamento, processo no qual a empresa possui ampla capacidade técnica.


Fonte: Site Defesanet.com - http://www.defesanet.com.br

Comentário: Não sei bem se esta tecnologia poderá ser útil para o setor espacial, mas de qualquer forma ela parece ser muito positiva para o Setor de Defesa brasileiro. Parabéns a MECTRON. Aproveitando a oportunidade, como cidadão brasileiro, eu gostaria de questionar a diretoria da MECTRON sobre a situação do projeto das redes elétricas do VLS-1?  A Revisão Preliminar de Projeto (PDR - Preliminary Design Review) foi realizada pelo IAE em 24/11/2009 (veja aqui) e se minha memória não esta me enganando, o contrato com a MECTRON foi assinado pelo menos um ano depois. O IAE tem declarado na mídia que o atraso na entrega das redes elétricas tem sido um dos fatores para o não lançamento até o momento do VLS-1 VSISNAV. Entretanto, até agora não houve (pelo menos que eu saiba) qualquer manifestação ou explicação da MECTRON sobre o assunto, o que consideramos uma atitude que precisa ser corrigida. É preciso que a empresa use os meios de comunicação e dê uma posição à Sociedade Brasileira sobre o que está acontecendo e qual a previsão da empresa para a entrega desses equipamentos. Notícias oficiosas que chegam de São José dos Campos dão conta de que o IAE estaria em processo de cancelamento unilateral do contrato do VSISNAV com a MECTRON (a empresa além de não ter entregue as etapas, entregou com problemas os equipamentos e agora estaria propondo contratar uma empresa estrangeira chamada ‘HUAG’ com dinheiro do governo) sendo a alternativa do instituto recomeçar o VSISNAV no próprio IAE, o que neste caso significaria que o lançamento não ocorreria em menos de 3 anos. Será que esta notícia tem veracidade? A empresa precisa romper o silêncio e se posicionar publicamente, bem como o IAE, o DCTA e o COMAER e a AEB. O VLS-1 é um programa de suma importância para o País, pois a tecnologia empregada no mesmo será aproveitada nos outros projetos de veículos lançadores brasileiros que ainda fazem parte dos planos do IAE e do Brasil (VLS Alfa e BETA) para que possamos atingir finalmente a nossa independência espacial entrando para o fechadíssimo Clube dos países que dominam o ciclo completo da Tecnologia Espacial.

Resultado da Primeira Chamada do Programa Professor Visitante Sênior

Olá leitor!

Foi publicado pelaComissão de Aperfeiçoamento de Pessoal do Nível Superior (CAPES)” o resultado da primeira chamada do Programa Professor Visitante Sênior (PVS). Veja abaixo a nota sobre esta noticia publicada ontem (26/02) no site do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA).

Duda Falcão

Resultado da Primeira Chamada do
Programa Professor Visitante Sênior

Publicado o resultado da primeira chamada do Programa Professor Visitante Sênior (PVS) que tem como objetivo propiciar a professores/pesquisadores de consagrado mérito científico e reconhecida experiência acadêmica a realização de estudos ou pesquisas de alto nível, além da participação no desenvolvimento de planos, programas e projetos que contribuam para o aprimoramento e consolidação do desempenho científico-acadêmico do ITA para os setores aeronáutico, espacial, defesa e outros de cunho estratégico.

Projetos Aprovados

Fotônica Integrada em Silício - Vilson Rosa de Almeida

Programa Professor Visistante Sênior - Jorge Otubo

Desenvolvimento de Superfícies Nanoestruturadas para Catálise Solar: Aplicação para a Geração de Combustíveis e Destruição de Poluentes Orgânicos - Rodnei Bertazzoli

Modelagem Matemática, Identificação e Controle de Sistemas Dinâmicos não lineares: Sistemas Aeromecânicos e Aeroespaciais - José Manoel Balthazar

Contribuição ao Ensino e à Pesquisa em Estruturas Aeroespaciais no ITA - Domingos Alves Rade


Fonte: Site do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA)

Conheça Mais Sobre o 5º Anúncio de Oportunidade (AO) Lançado Ontem Pela AEB

Olá leitor!

Como podemos notar na nota anterior, a nossa Agência Espacial de Brinquedo (AEB) lançou no dia de ontem (26/02) o seu (Anuncio de Oportunidade) do Programa Microgravidade,  desde que este Programa foi criado em 27/10/1998 pela Resolução nº 36, do Conselho Superior da Agência, ação esta ocorrida durante o segundo governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (FHC).

Este novo anuncio tem como objeto o desenvolvimento de um dispositivo eletrônico compacto, portátil, ‘wearable1’ e não invasivo, capaz de avaliar os diversos aspectos fisiológicos relacionados à exposição do corpo humano ao ambiente de microgravidade e hipergravidade, decorrentes de um voo suborbital tripulado, e para tanto, a agência disponibilizará ao projeto recursos da ordem de R$ 150.000,00 (cento e cinquenta mil reais).

Representação de um dispositivo similar ao
proposto, fixado no pulso do usuário.
Representação de um dispositivo similar ao
proposto, fixado no tronco do usuário.

Vale dizer que o AO em questão está direcionado para escolas públicas de educação básica brasileiras em parceria com instituições de ensino superior (IES) e que o voo suborbital previsto será realizado e o seu experimento conduzido (preso ao corpo) pelo Primeiro Espaçonauta Brasileiro (astronauta civil), o jovem Eng. Pedro Nehme (aluno de Engenharia Elétrica da Universidade de Brasília (UnB) e bolsista da agência), a bordo do veículo espacial “Lynx Mark II” da empresa americana XCOR Space Expedition.

O jovem Eng. Pedro Nehme
Não há como dizer que nesta nova oportunidade que se abre para a Comunidade Científica e Educacional do país a AEB não esteja sendo oportunista por razões políticas óbvias, quando se aproveita de uma iniciativa pessoal do jovem Pedro Nehme para realizar algo no espaço que em nossa maneira de ver poderá realmente ser positivo não só para PEB, como também para a área médica e de saúde do país. Em nossa opinião, desde que o jovem Pedro tenha realmente consciência desta jogada da Agência (não sendo uma espécie de bobo útil) e não tenha nada contra a mesma, não há nenhum mal nisso. Entretanto a dúvida que fica é: Esta iniciativa realmente será realizada com seriedade, competência, compromisso e lisura que a mesma exige? Bom, isto só mesmo o tempo poderá responder.

De qualquer forma o Blog BRAZILIAN SPACE torce para que esta iniciativa seja conduzida como todos nós esperamos, e que o jovem Pedro Nehme seja bem sucedido em sua missão no espaço.

Representação dos subsistemas do
veículo espacial Lynx Mark-II.
Principais eventos do voo suborbital do
veículo espacial Lynx Mark-II. 

Vale dizer também que estamos torcendo muito por jovens da UnB, como o Pedro,  e de outras universidades do país que atuam em atividades espaciais, para que eles entendam a necessidade de trabalharem conjuntamente em prol do PEB, como uma grande equipe, sem disputas, egoísmos e picuinhas, que só prejudicam o programa espacial, este já por demais prejudicado pelos energúmenos da “Ogra”, e sim sempre buscando o entendimento e a complementaridade de seus projetos e esforços. É assim que se faz um Programa Espacial, ou seja, atuando como equipe (veja o exemplo da NASA), e não dividindo esforços.

Tenho também uma grande preocupação quanto à formação moral desses jovens, como é o caso do Pedro e de seus colegas, que além de já viverem numa cidade governada por pessoas de índole discutível, tem atuado e convivido como bolsista da AEB já algum tempo, uma agência reconhecidamente política e de gestão extremamente discutível. Sinceramente espero e torço Pedro que você e seus colegas possam observar e separar o que de positivo esta experiência de vocês na AEB poderá ser aproveitada, pois vocês são o futuro do Brasil e talvez a única esperança que temos em dar início a mudança cultural que este país precisa.

Veja na íntegra o  AO da AEB clicando aqui.

Duda Falcão

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Programa Microgravidade Divulga o Quinto Anúncio de Oportunidade

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada ontem (26/02) no site da “Agência Espacial Brasileira (AEB)”, destacando que o Programa Microgravidade da agência divulgou o Quinto Anúncio de Oportunidade.

Duda Falcão

Programa Microgravidade Divulga
o Quinto Anúncio de Oportunidade

Coordenação de Comunicação Social (CCS-AEB)


Brasília, 26 de fevereiro de 2015 – A Agência Espacial Brasileira (AEB), dando continuidade ao Programa Microgravidade está divulgando o quinto Anúncio de Oportunidade (5º AO) para a apresentação de experimentos. As propostas devem ser cadastradas no formulário eletrônico, exclusivamente via internet, disponível no site www.aeb.gov.br – Programa Microgravidade, entre os dias 24 de março e 27 de abril próximos.

A chamada pública é para o desenvolvimento de um dispositivo eletrônico compacto, portátil, wearable (que pode ser facilmente integrado ao corpo, com dimensões e massa que não comprometam a execução de movimentos) e não invasivo, capaz de avaliar os diversos aspectos fisiológicos relacionados à exposição do corpo humano ao ambiente de microgravidade e hipergravidade, decorrentes de um voo suborbital tripulado.

O experimento será conduzido pelo espaçonauta Pedro Nehme, engenheiro bolsista da AEB, durante o voo suborbital que ele fará no final do ano a bordo do veículo espacial Lynk Mark II, da empresa XCOR Space Expedition.

O presente AO é direcionado a escolas públicas de educação básica brasileiras em parceria com instituições de ensino superior (IES). A divulgação do experimento selecionado está prevista para o próximo dia 2 de maio.

O Programa Microgravidade foi criado em 1998 com o objetivo de disponibilizar ambientes de imponderabilidade aparente, comumente chamado de microgravidade, à disposição da comunidade técnico-científica nacional, provendo meios de acesso e suporte técnico e orçamentário para a viabilização de experimentos que necessitam desses ambientes.


Fonte: Site da Agência Espacial Brasileira (AEB)

El Cohete Suborbital Brasileño VSB-30 Lanza Con Éxito Desde Suecia la Carga Útil Cryofenix

Hola lector!

Sigue abajo uma materia publicada hoy (26/02) en el website “http://www.infoespacial.com/señalando que el cohete suborbital brasileño VSB-30 lanza con éxito desde Suecia la carga útil Cryofenix.

Duda Falcão

Noticias

Con un experimento sobre hidrógeno líquido

El Cohete Suborbital Brasileño VSB-30 Lanza
Con Éxito Desde Suecia la Carga Útil Cryofenix

26/02/2015

Foto: Marcus Lindh / SSC

(infoespacial.com) São Paulo, R. Caiafa.- El cohete suborbitalVSB-30 V20, desarrollado por el Instituto de Aeronáutica y Espacio (IAE), dependiente de la Fuerza Aérea Brasileña (FAB), despegó el pasado 22 de febrero a las 7:52 minutos (hora local) desde elCentro de Lanzamiento en Esrange, en Suecia. El vuelo transcurrió conforme a los planes, y la carga útil, formada por experimentos con hidrógeno líquido (Cryofenix), alcanzó los 263 kilómetros de altura máxima, permaneciendo 6 minutos en ambiente de microgravedad.

Con 12,6 metros de longitud y un peso total de 12,6 toneladas, el VSB-30 es un desarrollo de Brasil en cooperación conAlemania. Su primer vuelo se produjo el 23 de octubre de 2004, desde el Centro de Lanzamiento de Alcântara, en el estado de Maranhão este último es el número 15.

El 19 de febrero, otro cohete suborbital brasileño, el VS-30/IO V11, fue lanzado en Noruega. La carga útil alcanzó los 364 kilómetros de altura

Nuevo Proyecto

En 2014, el IAE y la Fundación de Ciencia, Aplicaciones y Tecnología Espaciales  (FUNCATE) firmaron un convenio para el desarrollo del Vehículo Lanzador de Microsatélites (VLM). El VLM, fruto de un acuerdo de colaboración con Alemania, se destinará al lanzamiento de cargas útiles espaciales y microsatélites (hasta150 kilos) en órbitas ecuatoriales y polares.


Fuente: Website www.infoespacial.com

UFABC Rocket Design Lança Campanha de Crowdfunding Visando Evento de Foguetes em Curitiba

Olá leitor!

A equipe UFABC Rocket Design da Universidade Federal do ABC (UFABC) irá participar do II Festival de Minifoguetes de Curitiba, evento este que se realizará  nos dias 18, 19 e 20 de abril na capital paranaense.  Para tanto, a equipe lançou uma interessante “Campanha de Crowdfunding em sua página no Facebook que resolvemos apoiar a divulgação. Veja abaixo.

Duda Falcão

II Festival de Minifoguetes

26/02/2015

O que você acha de deixar a sua assinatura em um foguete e levar o seu nome pra bem alto? Ou então ganhar uma miniatura de foguete impresso em uma impressora 3D?

Ajude a UFABC Rocket Design participando da nossa Campanha de Crowdfunding e ganhe vários brindes.

Veja como funciona a campanha na imagem do post. Mais informações no link abaixo:


Procure algum dos membros marcados e dê a sua contribuição: 


Ou então mande um e-mail para foguetes@ufabc.edu.br



Fonte: Equipe UFABC Rocket Design