segunda-feira, 9 de março de 2015

Oportunidade Para a Indústria Espacial Brasileira?

Olá leitor!

Segue abaixo um artigo escrito pelo Sr. Joel Chenet (Thales Alenia Space) e postado ontem (08/03) pelo companheiro André Mileski em seu no Blog Panorama Espacial.

Duda Falcão

Oportunidade Para a
Indústria Espacial Brasileira?

Joel Chenet
Thales Alenia Space

O Brasil Perdeu a Liderança do Setor Espacial na América do Sul?

No ano passado, a Argentina lançou com sucesso seu próprio satélite de comunicações. Investimentos não muito grandes, porém constantes, foram a chave para o desenvolvimento de uma solução “made in Argentina”, contando ainda com apoio da indústria europeia.

Hoje, após este sucesso, a Argentina quer expandir-se para fora de suas fronteiras e tornar-se o líder sul-americano no fornecimento de soluções para outros países como Colômbia, Peru, Venezuela e outros.

Este é um cenário inesperado, pois o Brasil tem investido em atividades espaciais há muito mais tempo do que os outros países da América do Sul, com muito mais investimento acumulado.

Novos Players e Novas Oportunidades Vão Chegar

A Visiona foi criada para gerenciar o programa SGDC. Durante toda a competição, a empresa demonstrou ter plena capacidade para dirigir o processo e para contratar com agilidade, sem nenhuma contestação das empresas envolvidas.

A Visiona entrará numa fase mais complexa, que é a integração do sistema completo com o satélite. É verdade que empresa vai enfrentar alguns problemas, mas problemas estes que vão permitir adquirir muitas competências. Com o treinamento dos seus engenheiros na Franca, que está ocorrendo como parte do contrato, após estas etapas, a empresa contará com uma equipe muito bem qualificada.

Como “integrador industrial”, a Visiona também contribuirá para que as empresas brasileiras do setor possam continuar crescendo e se desenvolvendo.

O Governo Brasileiro, durante o processo de competição, solicitou à Thales Alenia Space um compromisso relativo à ampla transferência de tecnologia. O cronograma para essa transferência é bem curto, portanto, dentro de alguns anos e baseado nessas modernas tecnologias, as empresas brasileiras estarão aptas a desenvolver e fabricar um satélite de monitoramento.

Em complemento aos investimentos do país e das empresas, a transferência de tecnologia é a forma mais barata e mais rápida que o país tem para acelerar o seu processo de independência tecnológica.

O Espaço é de Suma Importância ao Governo e à População

Aplicações espaciais são algumas vezes a única solução para se ter uma visão global dos recursos do país como as Amazônias Verde e Azul, e também levar ao governo uma informação segura e independente sobre o que está acontecendo no mundo.

Aplicações espaciais também são muito úteis à população, como as comunicações, o acesso à internet, melhorar a previsão da meteorologia, gestão da água etc. Hoje quase todas as pessoas estão usando satélites. E sem saber.

O Espaço é a Chave Mestra Para a Economia

A Indústria Espacial Brasileira precisa se desenvolver para não depender de outros países, mas também por razões econômicas. Em alguns anos, as empresas brasileiras poderiam exportar serviços e equipamentos (exportações espaciais na Europa representam a metade desse mercado). Hoje, no mínimo, uma forte indústria espacial brasileira diminuiria as importações.

O desenvolvimento das aplicações espaciais vai criar muitas oportunidades de negócios. Na Europa, os especialistas econômicos dizem que cada 1 euro investidos no espaço vai gerar 20 euro na economia.

O Brasil Pode Tomar um Atalho

Para voltar a ser o líder regional no setor espacial, o melhor caminho é usar a transferência da tecnologia e implementá-la o mais rápido possível.

Com base em um integrador industrial (Visiona) com competências chave como controle de atitude e órbita, e com a aquisição, por meio da transferência da tecnologia, de competências em plataformas e instrumentos de observação para as empresas brasileiras, o Brasil terá a oportunidade de construir seu próprio sistema espacial para segurança, para gestão de seus próprios recursos e seu desenvolvimento econômico.

E Voltar à Liderança da Corrida Espacial!

Joel Chenet é presidente geral da Thales Alenia Space no Brasil

Artigo publicado na edição especial de Tecnologia & Defesa sobre atividades espaciais, em fevereiro de 2015.


Fonte: Blog Panorama Espacial - http://panoramaespacial.blogspot.com.br/

Comentário: Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk, este leitor é o clássico exemplo de como condicionar os seus próprios interesses a situação de momento dizendo meias verdades. Triste. Não entendeu? Simples, veja quem escreveu o artigo.

2 comentários:

  1. " O DESCOBRIDOR DA PÓLVORA"

    As oportunidades perdidas pelos maus administradores, foram inúmeras. O Brasil precisa de forma emergencial, recolher as ancoras que estão adentradas na lama da corrupção. Eu nunca tomei conhecimento de que se constrói um casa pelo telhado. A propósito, que é o maluco de transferir a " FULL TECNOLOGIA DE FOGUETES A PROPULSÃO LÍQUIDA"? Está sim é a base principal para se poder alcançar o espaço sideral, o resto! é complemento."

    ResponderExcluir
  2. Bobinho, outro abduzido pela mídia, acredita que tudo é motivado pela corrupção. Todos os países têm corrupção, o Brasil não é exceção. A oligarquia que dá as costas para o Brasil trabalham para não permitir seu avanço. Um Brasil soberano, potência econômica e tecnologica na América do Sul não é boa idéia para alguns países.

    ResponderExcluir