segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Vídeo Mostra Como o Brasil Monitora os Riscos de Desastres Naturais

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada hoje (23/02) no site do “Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)” destacando que um vídeo educacional lançado pelo Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para Mudanças Climáticas (INCT-MC) mostra como o Brasil monitora os riscos de Desastres Naturais.

Duda Falcão

Vídeo Mostra Como o Brasil Monitora
os Riscos de Desastres Naturais

Segunda-feira, 23 de Fevereiro de 2015

Os desastres naturais e os sistemas de monitoramento e prevenção de seus impactos no Brasil são temas do vídeo educacional que o Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para Mudanças Climáticas (INCT-MC) acaba de lançar. O material integra o projeto de difusão do conhecimento gerado pelas pesquisas realizadas durante os seis anos de vigência do INCT-MC (2008-2014), sediado no Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). Confira: https://vimeo.com/119340038

Dirigido a educadores, estudantes de ensino médio e graduação, e formuladores de políticas públicas, o vídeo traz informações sobre as causas do aumento do número de desastres naturais nos últimos anos e como o país está se preparando para prevenir e reduzir os prejuízos nos diversos setores da sociedade. Pesquisadores e tecnologistas do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden) mostram como é feito o monitoramento de áreas de risco 24 horas por dia. Também são apresentadas as dimensões humanas, ou seja, como os desastres interferem e prejudicam a vida das pessoas e como o surgimento de novos cenários de risco podem e devem ser evitados.

Até junho deste ano, serão concluídos outros cinco vídeos educacionais, abordando temas relacionados às pesquisas do INCT para Mudanças Climáticas: segurança alimentar, segurança energética, segurança hídrica, saúde e biodiversidade.

Portal do Conhecimento

O conhecimento produzido durante seis anos de pesquisas realizadas no âmbito do INCT para Mudanças Climáticas está sendo reunido em um portal na Internet, a ser lançado ainda no primeiro semestre de 2015. O ambiente virtual oferecerá conteúdos com linguagem adequada para os diversos públicos de interesse: pesquisadores, educadores, estudantes (divididos por faixas etárias) e formuladores de políticas públicas. O material estará organizado em seis grandes áreas temáticas: segurança alimentar, segurança energética, segurança hídrica, saúde humana, biodiversidade e desastres naturais.

Além de reportagens, vídeos, desenhos animados, imagens, infográficos, cartilhas ilustradas e testes interativos, estarão disponíveis também as mais de 400 publicações científicas produzidas pelos integrantes do INCT-MC de 2008 a 2014. O usuário poderá buscar as publicações por tipo (artigo em periódico nacional, artigo em periódico internacional, livro ou capítulo de livro), tema integrador (segurança alimentar, segurança energética, segurança hídrica, saúde e biodiversidade), subprojeto do INCT-MC, autor, título etc.

O INCT para Mudanças Climáticas

Com sede no INPE, instituto brasileiro referência na área, o INCT para Mudanças Climáticas envolve mais de 90 grupos de pesquisa de 102 instituições e universidades brasileiras e estrangeiras, com cerca de 300 participantes. Trata-se de um ambicioso empreendimento científico criado para prover informações de alta qualidade relevantes para ajudar o Brasil a cumprir os objetivos do seu Plano Nacional sobre Mudança do Clima. A fim de informar os cientistas, os responsáveis pelas políticas públicas, os meios de comunicação e o público em geral, o INCT para Mudanças Climáticas publica relatórios periódicos.

A principal meta do INCT para Mudanças Climáticas é fornecer informação científica de alta qualidade necessária para: a) compreender o funcionamento do clima, sua variabilidade e suas mudanças e b) subsidiar as políticas públicas de mitigação e adaptação em níveis local, nacional e internacional.

Mais informações podem ser encontradas em http://inct.ccst.inpe.br


Fonte: Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)

Nenhum comentário:

Postar um comentário