quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

Imagens Captadas Pelo CBERS-4 Serão Disponibilizadas na Internet em Março

Olá leitor!

Segue abaixo mais uma notícia postada dia (19/12) no site “G1” do globo.com destacando que as imagens captadas pelo Satélite CBERS-4 serão disponibilizadas na internet a partir de mês de março de 2015.

Duda Falcão

VALE DO PARAÍBA E REGIÃO

Imagens Captadas Pelo CBERS-4 Serão
Disponibilizadas na Internet em Março

Programação inclui palestra do astronauta brasileiro Marcos Pontes.
Evento acontece de segunda (8) a sexta (12) em Parnamirim.

Nicole Melhado
Do G1 Vale do Paraíba e Região
19/12/2014 - 16h18
Atualizado em 19/12/2014 - 18h05

(Foto: Nicole Melhado / G1)
Imagens das câmeras do CBERS-4 serão
disponibilizas de graça em março de 2015.

As imagens produzidas pelo satélite sino-brasileiro CBERS-4, lançado neste mês ao espaço, serão disponibilizadas gratuitamente no site do Instituto Nacional de Pesquisa Espacial (INPE) a partir de março de 2015. O material gerado pelo equipamento poderá ser utilizadas para mapeamento geográfico e dos setores agrícolas e florestal do país.

O satélite fornecerá, nos pelo menos três anos de vida útil, 200 imagens por ano da cobertura da região Amazônica.

O material vai auxiliar no controle da taxa de desmatamento, da cobertura vegetal e de queimadas. “Com a geotecnologia será possível ainda fazer com mais eficiência e rapidez o planejamento físico de cada um dos cinco mil municípios brasileiros”, explicou o diretor do INPE, Leonel Perondi, em entrevista coletiva nesta sexta-feira (19) no INPE, em São José dos Campos (SP). O órgão foi o fabricante nacional do satélite, lançado a partir de uma base na China no último dia 7.

Duas das quatro câmeras instaladas no satélite são de fabricação nacional. A coordenadora do setor de Observação da Terra, Leila Fonseca, explicou a função dos modelos usados no CBERS-4.

“A [modelo] WFI tem 64 metros de resolução, traz menos detalhes, mas as imagens são geradas a cada cinco dias do mesmo lugar, serve para o monitoramento de desmatamento e de safras, por exemplo. Já a [modelo] MUX tem 20 metros de resolução, pode enviar imagens do mesmo lugar com mais detalhes em 26 dias”, esclareceu a coordenadora.

O CBERS tem capacidade de 15 minutos de gravação por dia e viaja a uma velocidade de 4,2 Km por segundo

(Foto: G1/Arte)
Satélite CBERS-4

Novos Projetos

Comemorando o sucesso do CBERS-4, o INPE já planeja a construção de um novo satélite que deve ter um custo inferior - o projeto, batizado de CBERS-4A deve ser concluído nos próximos quatro anos.

A intenção do INPE é dar continuidade ao programa, por meio do lançamento de novos satélites. “Queremos fabricar novos equipamentos, um satélite da mesma classe dos CBERS 3 e 4, mas com o custo inferior a curto prazo”, explicou Perondi.

O desenvolvimento do CBERS-4, lançado no espaço há duas semanas, custou ao Brasil R$ 160 milhões. Metade dos investimentos foi feito pelo governo chinês que também é responsável por 50% da tecnologia aplicada no satélite.

O programa de cooperação entre os dois países na área espacial existe há 26 anos e deve ser ampliada por mais 10 anos. De acordo com o Ministério de Ciência e Tecnologia, a negociação com a China para a construção dos CBERS-4A, CBERS-5 e CBERS-6 deve ser formalizada no primeiro semestre de 2015.

“No exterior este equipamento [satélite] já custa menos. Nosso objetivo é trazer ao Brasil autonomia técnica, desenvolver a capacidade industrial brasileira e levar retorno social que é aprendizagem, a geração de empregos mais bem remunerados com a produção de produtos com maior valor agregado”, afirmou o diretor do INPE.

Investimentos

Para o empresário Célio Costa Vaz, faltam investimentos governamentais na indústria aeroespacial. “Não vemos em Brasília vontade política para o desenvolvimento industrial neste setor”, afirmou. A empresa deles é uma das que participou da fabricação do CBERS-4.

Perondi quer que o INPE desenvolva uma família de satélites em 10 anos. “Já há um projeto para servir a Defesa Nacional, o Ministério do Meio Ambiente para 2015, com três satélites .Queremos que pelo menos um seja 100% nacional”, disse.

O desenvolvimento de um sistema espacial 100% brasileiro será concretizado no satélite Amazônia 1, previsto para ser lançado em 2015. “Estamos concluindo um ciclo, a ponto de fabricar um produto totalmente nacional. Falta ainda a capacidade de colocar o equipamento em órbita”, afirmou Perondi.


Fonte: Site “G1” do globo.com – 19/12/2014

Comentário:  Veja bem leitor eu admiro o otimismo do Dr. Leonel Perondi, ao qual tenho recebido muito boas informações sobre o mesmo de profissionais do setor, mas temos de ser realista quanto a prazos e projetos do PEB estabelecidos pelo governo dessa “Ogra” debiloide e populista.  Na realidade apesar do otimismo do Dr. Perondi ele está literalmente “viajando na maionese” e ‘desafio’ esta “Ogra” petista provar-me do contrário nos próximos quatro anos de seu governo. Permitir que se Divulgue Sr. Perondi em um dos sites mais conceituados da mídia brasileira de que o Satélite Amazônia-1 ficará pronto para ser lançado em 2015 é algo que não ajuda em nada a melhorar a imagem de nosso pífio e desacreditado programa espacial, muito pelo contrário,  já que isto não e verdade e o senhor sabe disto. Isto Sr. Perondi se chama sensacionalismo e só é benéfico para as más intenções políticas destes energúmenos. Gostaria muito de acreditar na possibilidade do lançamento ano que vem do Satélite Amazônia-1 Dr. Perondi, não só pelo que ela representaria cientificamente e tecnologicamente para o nosso país, mas também porque seria um fim de uma novela que já tem mais de trinta anos, uma lembrança de uma época onde realmente existia compromisso com o Programa Espacial Brasileiro.  Já quanto ao Programa CBERS Dr. Perondi eu sei e senhor também sabe que o INPE precisará de muita sorte para realizar o lançamento do CBERS-4A  ainda durante o segundo governo desta “Ogra”, e quanto aos outros projetos do Programa CBERS e de outros que possam surgir na esteira da cooperação com a China, ora Sr. Perondi, faça-me uma garapa, peço-lhe que pelo menos tenha responsabilidade com o que o senhor divulga para mídia. É o mínimo que podemos esperar do senhor. 

7 comentários:

  1. “No exterior este equipamento [satélite] já custa menos. Nosso objetivo é trazer ao Brasil autonomia técnica, desenvolver a capacidade industrial brasileira e levar retorno social que é aprendizagem, a geração de empregos mais bem remunerados com a produção de produtos com maior valor agregado”, afirmou o diretor do INPE."


    25 anos deste projeto e ainda não conseguiram nem a metade desta afirmação!
    Isto é piada de mau gosto!

    ResponderExcluir
  2. Prezado DUDA

    Com relação ao lançamento do AMAZONIA 1, como este acontecerá em 2015 se o sistema de potência do mesmo não foi terminado pela empresa MECTRON, como deveria ter sido feito desde 2004?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Anônimo!

      Simples, não acontecerá. Ponto.

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir
    2. Você não acha que uma auditoria neste projeto deveria ser obrigatória?
      10 anos de atraso e descaso não são motivos suficientes?

      Excluir
    3. Olá Anônimo!

      São sim, muito mas só se a auditoria inclui-se a Presidência da Republica e não acabasse em festa em alguma pizzaria de Brasília.

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir
  3. Prezado DUDA

    A partir de agora tudo irá melhorar!
    ALDO REBELO como ministro da Ciência e Tecnologia!
    E você acha que pior não pode ficar!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Abônimo!

      Tenho certeza disto, o ALDO REBELO realmente é a pessoa certa para gerenciar as atividades cientificas e tecnológicas do país, como também é o Jacques Wagner na condução do Ministério da Defesa. Desta vez a "oOgra" acertou em cheio e como prêmio deveria ser fuzilada em praça pública.

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir