quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Chip Espacial Brasileiro Tem Êxito em Nanosatélite

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada ontem (09/12) no site “Inovação Tecnológica” destacando que Chip Espacial Brasileiro tem êxito em nanosatélite.

Duda Falcão

PLANTÃO

Chip Espacial Brasileiro Tem
Êxito em Nanossatélite

Com informações do INPE
09/12/2014

[Imagem: Divulgação/AEB]
Primeiro satélite científico nacional, o NanosatC-Br1 foi
lançado com a missão tecnológica de testar no espaço o
circuito integrado projetado totalmente no país.

Chip Antirradiação

O primeiro circuito integrado com proteção à radiação projetado no Brasil está apresentando ótimo desempenho no espaço.

Ele é um dos dois experimentos tecnológicos a bordo do NanosatC-Br1, lançado em junho último.

Os resultados estão sendo apresentados no 1º Workshop Latino-americano da Academia Internacional de Astronáutica sobre CubeSats, que acontece nesta semana na Universidade de Brasília (UnB).

Projetado pela Santa Maria Design House (SMDH), da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), no Rio Grande do Sul, o circuito é um dos experimentos do cubesat, projeto coordenado pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) em cooperação com a UFSM para obter dados do campo magnético da Terra, fomentar a inovação tecnológica e formar pessoal especializado.

"Este circuito foi sugerido pela Divisão de Eletrônica Aeroespacial (DEA) do Inpe em função de suas possíveis necessidades futuras em alguns dos projetos de satélites de maior porte do Instituto. Estes primeiros resultados são de grande relevância, pois os dados obtidos na parte do circuito projetada para resistir à radiação apresentam significativas tolerâncias quando comparados com os diversos SEE (single event effect) da parte do circuito sem esta tolerância", informa o pesquisador Otávio Durão, do Inpe.

Clima Espacial e Magnetismo no Oceano

Os dados obtidos com o NanosatC-Br1 serão combinados com os do Embrace, o Programa de Estudo e Monitoramento Brasileiro do Clima Espacial para a obtenção de outros resultados. Os dados fornecidos até aqui determinam de forma quantitativa a tolerância à radiação do circuito, e ajudam a validar a biblioteca de rotinas desenvolvida pela SMDH para projetá-lo.

"Além dos resultados do experimento, [trouxemos ao evento] outros seis trabalhos relacionados ao NanosatC-Br1 e NanosatC-Br2, em desenvolvimento, feitos por alunos, engenheiros e pesquisadores que participam destes projetos", disse Durão.

Primeiro satélite científico nacional, o NanosatC-Br1 foi lançado com a missão tecnológica de testar no espaço o circuito integrado projetado totalmente no país. Ele também cumpre a missão científica de coletar dados para estudo de distúrbios na magnetosfera, principalmente na região da Anomalia Magnética do Atlântico Sul e do setor brasileiro do Eletrojato Equatorial Ionosférico, cujos primeiros resultados também demonstram êxito.


Fonte: Site Inovação Tecnológica - http://www.inovacaotecnologica.com.br/

Comentário: Pois é leitor, o Blog já tinha essa informação e estávamos esperando uma notícia como essa para parabenizar a Santa Maria Design House (SMDH), da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) e ao Grupo do NanosatC-Br1 liderados pelos Drs. Nelson Jorge Schuch e Otávio Santos Cupertino Durão. Parabéns a todos vocês por esta conquista.

3 comentários:

  1. Realmente uma excelente notícia de uma grande conquista.

    Parabéns a todos os envolvidos !!!

    ResponderExcluir
  2. Quer dizer que estamos mais próximos tecnologicamente falando de construir um satélite de comunicações?
    abs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá leo!

      Não exatamente.

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir