segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

CBERS-4 Passa pelo Brasil e Começa a Captar Imagens

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada hoje (08/12) no site da Agência Espacial Brasileira (AEB) destacando que o Satélite CBERS-4 passou pelo Brasil e começa a captar imagens.

Duda Falcão

CBERS-4 Passa pelo Brasil e
Começa a Captar Imagens

Coordenação de Comunicação Social (CCS-AEB)

Foto: Divulgação/CGWIC
Lançamento do foguete Longa Marcha-4B,
transportando o satélite CBERS-4.

Brasília, 8 de dezembro de 2014  Lançado da base de Taiyuan, na China, na manhã de domingo (7), o satélite sino-brasileiros de sensoriamento remoto CBERS-4 passou pela primeira vez sobre o  território brasileiro por volta das 10h de domingo, sendo monitorado pelo Centro de Lançamento de Alcântara (CLA), no Maranhão.

Os dados de telemetria captados indicam que o satélite opera nas condições previstas para essa primeira fase. O CBERS-4 deve começar a captar as primeiras imagens do planeta em fase de testes ainda hoje (8). O satélite completa uma órbita em torno da Terra a cada 100 minutos.

Com duas toneladas de peso e equipado com quatro câmaras o CBERS-4 dará 14 voltas no planeta por dia. Em baixa resolução ele imagea toda superfície em cinco dias, em média resolução esse tempo é de 26 dias e em alta resolução de 52 dias.

Suas imagens, que são distribuídas gratuitamente para milhares de usuários, têm diversas aplicações na área de monitoramento ambiental, agrícola e planejamento urbano. A vida útil do CBERS-4 é estimada para três anos.

Amanhã (9), autoridades do Brasil e China devem se reunir para tratar sobre a continuidade da cooperação espacial entre os dois países.


Fonte: Agência Espacial Brasileira (AEB)

Comentário: Pois é leitor, e agora, qual será o próximo passo? Estão falando que já existem negociações em curso para a continuação do Programa com o desenvolvimento do Satélite CBERS-4A. Mas existirá compromisso nos próximos quatro anos do desgoverno da ‘Ogra’ para isso? Sinceramente não creio, e pelo que fiquei sabendo (caso venha se confirmar) em breve será divulgada uma notícia devastadora que (em minha opinião), afetará mortalmente e definitivamente toda e qualquer credibilidade do PEB que ainda resta junto a Sociedade Brasileira e junto a Comunidade internacional. Caso a notícia se confirme será o fim da picada. E tudo isso por pura e exclusiva falta de compromisso do governo.

7 comentários:

  1. Felicitaciones a Brasil por este nuevo logro concretado con total éxito (¡Y en tiempo record!)

    Saludos desde Argentina

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hola Gustavo!

      Gracias amigo. La verdad es un logro que aún no acreditado posible, pero el INPE conseguido porque esta vez han tenido el apoyo que necesitan por parte del gobierno.

      Saludos desde Brasil

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir
  2. Respostas
    1. Olá Iurikorolev!

      Infelizmente eu não posso divulgá-la, mas caso se confirme será catastrófico para já combalida e chacoteada imagem do PEB.

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir
  3. Respostas
    1. Olá Brehme!

      Como eu disse ao Iurikorolev, infelizmente eu não posso falar além do que já disse. Também a informação é ainda oficiosa e não oficial. Só espero e torço para que não se confirme.

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir
  4. Bom, antes mesmo que se confirme ou não essa notícia, se for esse mesmo o caso, muito sinceramente de minha parte e dependendo (como sempre) de como o pessoal de dentro do PEB for encarar e levar a alternativa (estou me referindo aqui ao VLM) adiante, isso pode ser até positivo.

    Sou apenas um leigo, mas para avaliar a evolução do projeto como um todo, e na qualidade de contribuinte que o está financiando no final das contas, a coisa é relativamente simples. Vejamos:

    O VLS começou a ser desenvolvido em 1985, a quase 3 décadas portanto, e desde então foram construídos três veículos de teste, sendo que os dois primeiros chegaram a ser lançados mas tiveram problema no conjunto propulsor do primeiro estágio saindo da rota pretendida e precisaram ser destruídos em voo, e o terceiro (e até o momento o último), foi o que causou aquela lamentável explosão em 2003. Uma taxa de uma tentativa fracassada a cada dez anos!!!

    Bom, se isso não é um indicativo forte de um projeto que deve ser ou realmente cancelado, ou no mínimo completamente reformulado, eu não sei o que poderia ser.

    Se por outro lado, considerarmos o VLM cujo projeto é mais simples (não tem aquele primeiro estágio complexo), essa tal "reformulação" do VLS (o que em minha mode3sta opinião não deixa de ser), sobre o qual já dominamos as técnicas de construção e de lançamentos bem sucedidos de motores maiores com tecnologia de combustível sólido (vide sucesso nos lançamentos na Europa), e que para materializar o VLM, é necessário apenas fazer uma versão um pouco maior dos motores que já temos, ora, se houver um real interesse e se o pessoal de dentro do PEB se comprometer à forçar o governo a levar a cabo esse projeto, eu, sinceramente o vejo, com muito mais possibilidades de sucesso que o VLS, que parece estar definhando.

    Bom, é isso. Eu prefiro ver essa alternativa, como uma daquelas do tipo: "há males que vêm para o bem". Quem sabe isso dá uma "sacudida" nos envolvidos, e eles deem um jeito de se manifestar nem que seja através de terceiros, de forma a garantir que as ações desses "governos" não atrapalhem também esse projeto alternativo.

    Uma coisa pra mim é certa: desses "governos", e insisto aqui, do jeito que as coisas estão hoje, tanto faz ser dessa ou daquela pessoa, desse ou daquele partido, pois é tudo "farinha do mesmo saco", não se pode esperar nada de bom. Então cabe SIM, aqueles que estão envolvidos no PEB, quando perceberem desvios de rota flagrantes, "botar a boca no trombone". Se não querem ou não podem fazer isso, melhor ir pra casa descansar desde já porque em breve precisarão buscar outra coisa pra fazer, ou então continuar fabricando esses foguetes que são lançados da Europa com uma mínima regularidade...

    Vamos acompanhar.

    ResponderExcluir