terça-feira, 9 de dezembro de 2014

Brasil e China “Alinham Interesses” na Área Aeroespacial, Rússia Também é Parceiro

Olá leitor!

Segue abaixo uma matéria postada hoje (09/12) na versão em português do site russo “Rádio Voz da Rússia” destacando que Brasil e China “Alinham Interesses” na Área Aeroespacial e a Rússia também é parceiro.

Duda Falcão

Brasil e China “Alinham Interesses” na
Área Aeroespacial, Rússia Também é Parceiro

Redação
09/12/2014 - 15:20

© Foto: REUTERS

O lançamento com sucesso, no domingo passado, do satélite sino-brasileiro CBERS-4, “testemunha da capacidade que a China e o Brasil têm de alinhar os seus interesses e juntar os esforços” na área de cooperação aeroespacial, acredita Petrônio Noronha de Souza, engenheiro mecânico e diretor de Política Espacial e Investimentos Estrangeiros da Agência Espacial Brasileira (AEB), contatado pela emissora Sputnik.

O perito especificou que o satélite ainda não está funcionando. O processo de implementação completa do aparelho demora até três meses. Segundo Souza, o CBERS-4 assumirá todas as suas funções no final de fevereiro ou no início de março. Antes disso, há um processo de preparação técnica:

“Um satélite como esse, a partir do momento em que é lançado, permanece aproximadamente por 12 horas em um estado de aparente dormência (stand-by). Este é o período em que o pessoal do solo verifica se todos os subsistemas e equipamentos estão funcionando adequadamente. Depois desta fase, ele começa a ter suas cargas úteis, seus instrumentos ativados. Essa ativação se dá de forma gradativa para verificar se também esses instrumentos operam como esperado. Vencida essa segunda etapa, entra-se em uma terceira etapa que se chama de comissionamento. Durante o comissionamento, os instrumentos são calibrados e os programas de computador que fazem o processamento desses dados, também são ajustados”.

O aparelho é destinado àquelas empresas brasileiras que precisem de imagens de satélite de média resolução. Média resolução não é má resolução, destaca o perito. Quer dizer, há câmeras que distinguem objetos de até 5 metros de largura. Alta resolução é quando se distingue objetos de até um metro.

E imagens de média resolução também podem ser importantes, especialmente para países com grandes territórios, sublinha Souza:

“É um satélite hoje classificado como de média resolução, e isso não significa que ele não é bom. Significa que ele atende a um nicho de necessidade de imagens de grandes extensões”.

No Brasil, um dos setores interessados na atividade do satélite pode ser o setor agrícola, sugere Souza.

Comentando a parceria com a Rússia, o engenheiro da AEB comenta que o Brasil e a Rússia não têm ainda iniciativas de envergadura do CBERS. Portanto, existe um projeto conjunto com o sistema russo de navegação por satélite GLONASS, que irá se desenvolver no futuro, criando uma base segura para outros tipos de parceria.


Fonte: Site Rádio Voz da Rússia - http://portuguese.ruvr.ru

2 comentários:

  1. Parece que a parceria se estenderá. Já falaram até da possibilidade de um programa conjunto no desenvolvimento de veículos lançadores.

    "MINISTRO CAMPOLINA ASSINA ACORDO DE COLABORAÇÃO ESPACIAL COM A CHINA"
    http://www.aeb.gov.br/ministro-campolina-assina-acordo-de-colaboracao-espacial-com-a-china/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu Brehme!

      já está online.

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir