quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

AEB Publica no DOU Extrato de Dispensa de Licitação Para o Lançamento do Satélite CBERS-4

Olá leitor!

Diário Oficial da União (DOU) de ontem (11/12) publicou um “Extrato De Dispensa de Licitação”, da “Agência Espacial Brasileira (AEB)”, relativo à contratação da empresa chinesa CHINA GREAT WALL INDUSTRIES CORPORATION (CGWIC)” para o lançamento do Satélite CBERS-4. Abaixo segue o extrato como publicado no DOU.

Duda Falcão

AGÊNCIA ESPACIAL BRASILEIRA

EXTRATO DE DISPENSA DE LICITAÇÃO
Nº 33/2013 - UASG 203001

Processo nº: 01350000220201359;
Objeto: Prestação de serviços de lançamento, pela CGWIC,para o lançamento do CBERS-4 a partir do Centro de Lançamento de satélite de Taiyuan, num veículo LM-4B a ser fornecido pela CGWIC, de acordo com os termos e condições deste Contrato;
Total de Itens Licitados: 00001;
Fundamento Legal: Art. 24º, Inciso XIV da Lei nº 8.666 de 21/06/1993;
Justificativa: Porque as condições ofertadas é manifestamente vantajosas para o Poder Público;
Declaração de Dispensa: em 10/12/2013 – FRANCISCO CLEODATO PORTO COELHO - Diretor de Planejamento, Orçamento e Administração - Substituto;
Ratificação: em 10/12/2013 - JOSE IRAM MOTA BARBOSA. Presidente da AEB – Interino;
Valor Global: R$ 37.500.000,00;
CNPJ Contratada: Estrangeiro CGWIC – CHINA GREAT WALL INDUSTRIES CORPORATION.

(SIDEC - 10/12/2013) 203001-20300-2013NE800001

OBS: Complementando a informação no Diário Oficial da União (DOU) de hoje (12/12) foi publicada uma nota de retificação dizendo:

“Na Dispensa de Licitação nº 33/2013 publicada no DOU de 11/12/2013, Seção 3, Pág. 17 , Onde se lê: Ratificação de Dispensa em 10/12/2013. JOSE IRAM MOTA BARBOSA. Presidente da AEB - Interino. Leia-se: Ratificação de Dispensa em 10/12/2013 PETRONIO NORONHA DE SOUZA. Presidente da AEB – Substituto”.


Fonte: Diário Oficial da União (DOU) - Seção 3 - pág. 17 - 11/12/2013

Comentário: Bom leitor, isto parece ser mais uma garantia de que felizmente para o Brasil o Satélite CBERS-4 não será usado como carga útil do trambolho tóxico ucraniano Cyclone-4. Entretanto, vamos esperar a assinatura do contrato.

4 comentários:

  1. 37.500.000,00 de reais... isso não daria para construir um VLS-1? É o que pagamos para nos lançarem satélites. Alguém me diga se isso faz algum sentido? A longo prazo não ficaria mais barato enviarmos nossos próprios satélites se investissemos em lançadores?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Daria pra, talvez dois VLS-1. Não é tão simples assim, somente questão de dinheiro. Recursos humanos de alta qualidade, foco, cadeia de produção e legislação adequada.
      Que bom seria se tivéssemos um orçamento do PEB de, pelo menos, 2 bilhões por ano. Daria pra tantos projetos, e a indústria iria atrair mão de obra de qualidade.

      Excluir
  2. Ue.Fazer o que ? Metade do orçamento do PNAE vai pra programas de parceria internacional (leia CBERS) do que projetos nacionais como Amazonia - 1 e o VLS.

    ResponderExcluir
  3. Então Ramir, já que o orçamento do PEB como já foi amplamente divulgado, é pífio, uma das propostas eu eu já fiz em outros artigos, é que a verba para cada programa saia do Ministério que se beneficia dele.

    No caso do CBERS, a verba deveria sair dos Ministério da Agricultura, e do Meio Ambiente, que são os beneficiários desse programa. Já quanto aos satélites de telecomunicações, obviamente a verba deveria vir do Ministério de Telecomunicações.

    Nada mais justo e óbvio. Mas parece ser tão difícil para os "entendidos" enxergarem isso, e também o pessoal de dentro do programa não se manifestar e EXIGIR mudanças.

    Então continuamos aqui, dando sugestões e cobrando ATITUDE de quem teria a OBRIGAÇÃO de tomá-las.

    Abs.

    ResponderExcluir