segunda-feira, 4 de novembro de 2013

Blog Panorama Espacial Entrevista Diretor do INPE

Olá leitor!

Segue abaixo uma entrevista com o diretor do INPE, Leonel Fernando Perondi, postado hoje (04/11) no blog “Panorama Espacial” do companheiro André Mileski, centrada que foi nos programas de segmento espacial do instituto, ou seja, nos projetos de satélites.

Duda Falcão

Entrevistas: Leonel Perondi, diretor do INPE

André Mileski
04/11/2013

Conforme revelado na última quinta-feira, damos início hoje à série "Entrevistas". O primeiro entrevistado foi Leonel Fernando Perondi, que desde maio de 2012 é diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), principal instituição executora dos programas de satélites nacionais.

A conversa foi centrada nos programas do Instituto no segmento espacial, isto é, satélites. Apresentamos a seguir os principais trechos. No final da entrevista, incluímos pequenos comentários elaborados pelo blog Panorama Espacial, identificados ao longo do texto (entre colchetes e destacados em itálico e grifados) analisando e dando algumas informações adicionais sobre os tópicos abordados.

CBERS e Política Industrial

A entrevista, realizada por telefone, começou abordando o principal projeto de satélite desenvolvido pelo INPE: o programa do Satélite Sino-Brasileiro de Recursos Terrestres (CBERS). Perondi destacou a entrada do programa em sua segunda fase, com a expectativa para o lançamento do primeiro satélite da segunda geração, o CBERS 3, no próximo mês de dezembro. O CBERS 4 deverá ser lançado dois anos depois. Mencionou ainda o fato do satélite contar com quatro sensores óticos e também com um transpônder de coleta de dados, que reforçará o Sistema Brasileiro de Coleta de Dados Ambientais (SBCD). Deu também ênfase ao seu caráter industrial, enfatizando o fato de que os dois modelos foram contratados junto à indústria nacional, gerando ao todo cerca de R$370 milhões em contratos. "É essencialmente um programa de política industrial", destacou.

Questionado sobre a continuidade do programa, o diretor afirmou que existem discussões visando uma nova geração, e que esta é a posição do INPE, na qualidade de executor da missão. "Mas, tem que ter sempre o elemento de inovação". Em sua opinião, o CBERS trouxe visibilidade internacional, mas é preciso ir além. "[Hoje], são satélites de rotina para a China, e esta é a nossa ideia também".

Perondi entende que as próximas unidades, em caso de continuidade, podem ser inteiramente contratadas junto à indústria nacional, atendendo as necessidades nacionais em sensoriamento remoto e funcionando como um instrumento de política industrial. Desde 2005, existem propostas do lado chinês para uma extensão da cooperação espacial [Nota 1].

Amazônia-1

Após o CBERS, a pergunta natural foi sobre o projeto do satélite de observação Amazônia-1, baseado na Plataforma Multimissão (PMM). Perondi respondeu dando um panorama sobre a PMM e a sua primeira missão, ressaltando que o projeto da plataforma foi contratado na indústria em 2001 sem uma linha de base, com uma amplitude grande para aplicações multimissão. "São quase doze anos de desenvolvimento do projeto." "Nenhum subsistema tem herança de voo, o que é um desafio grande", disse.

O Amazônia-1, especificamente, está em revisão e pode ser lançado em dois anos, informou, revelando ainda que a forma de contratação gerou certas dificuldades de relacionamento com a indústria, algo que está em discussão no âmbito de direito administrativo. "O INPE está mobilizado em definir o cronograma de satélites."

Cubesats e Nanossatélites

Perguntamos ao diretor do INPE sobre alguns projetos de cubesats e nanossatélites que têm sido desenvolvidos pelo Instituto. De acordo com ele, são missões ainda experimentais e em escala reduzida, envolvendo as unidades do Centro Regional do Nordeste (Conasat) e Centro Regional Sul (NanosatC-BR), com forte objetivo de aprendizagem. "Estamos aguardando os resultados, e temos que ver o lado de aplicações também", afirmou.

Satélites Radar, Meteorológico e Lattes

Perondi enfatizou que a prioridade do INPE é o CBERS e, em seguida, o Amazônia-1 (PMM). Mas, há também outros projetos e possibilidades no âmbito espacial. Um deles é o satélite radar, no passado, quando planejado em parceria com a Alemanha, denominado MAPSAR.

Em discussão desde 2003 e constante no Programa Espacial desde o PNAE 2005-2014, o diretor afirmou que o satélite radar teve como alternativa considerada apenas uma configuração com antena refletora, e não planar, dando indicativo de que sua configuração está sendo discutida. "A demanda para estas imagens continua existindo, e uma parceria internacional é possível".

Sobre uma missão meteorológica, afirmou que esta já consta do PNAE desde 2004 (período 2005-2014), e que é uma necessidade do País. "[Esta] já deveria estar no horizonte nos próximos dez anos". Há certa expectativa sobre o arranjo para a sua viabilização.

Em relação ao satélite Lattes, de aplicações científicas, Perondi revelou que deve ser repensada. "A missão é extremamente desafiadora em razão da integração da plataforma e das cargas úteis." Existe a possibilidade de que o Lattes, surgido a partir da "fusão" dos projetos de microssatélites EQUARS e MIRAX, venha a ser dividida em duas plataformas menores. Esta estratégia, aliás, estaria alinhada à ideia do INPE de retomar as missões de pequenas plataformas, que poderiam ainda incluir missões com transpônderes para atender o SBCD.

SGDC

A respeito da participação e/ou ganhos esperados pelo INPE com o Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC), Perondi foi sucinto, citando que o satélite atenderá demandas nacionais imediatas (banda larga e comunicações militares), e que o Instituto pode se beneficiar no futuro por meio do Laboratório de Integração e Testes (citou o caso de alguns satélites da série Brasilsat, que tiveram módulos testados no laboratório), e com oportunidades para a formação de pessoal no exterior.

Perspectivas de Novos Contratos Para a Indústria?

A entrevista foi encerrada com uma questão sobre a perspectiva de novos contratos em curto ou médio prazos para a indústria espacial brasileira, uma vez que os satélites CBERS e o Amazônia-1 já estão praticamente 100% contratados. O dirigente ressaltou que o papel do INPE é de executor e não de planejador do Programa Espacial, mas que o Instituto "olha com preocupação o futuro", respondendo ao comentário do entrevistador sobre a situação da indústria na atualidade [Nota 2].

O dirigente mencionou que nos últimos dez anos, o Instituto contratou mais de R$500 milhões com a indústria e que existem expectativas e novos contratos, sem, no entanto, indicar datas. Citou, como exemplo, o satélite em cooperação com a Argentina (SABIA-MAR), e também missões para coletas de dados [Nota 3].

Notas do blog:

Nota 1: entre os dias 4 e 9 de novembro, acontecerá na China a III Reunião da Comissão Sino-Brasileira de Alto Nível de Concertação e Cooperação (COSBAN), mecanismo de diálogo político de mais alto nível entre Brasil e China. Sua estrutura inclui onze subcomissões, inclusive uma espacial. A expectativa é que no encontro, cujo lado brasileiro será chefiado por Michel Temer, vice-presidente da República, seja aprovado o Plano Decenal de Cooperação Espacial entre os dois países.

Nota 2: ao questionarmos sobre novos contratos, destacamos os receios da indústria espacial, que tem passado por certas dificuldades (algumas, devemos dizer, de sua própria responsabilidade). Apesar da expectativa de que o SGDC possa de alguma forma beneficiar a indústria local, tais benefícios não serão imediatos, podem não ter efeitos financeiros diretos (transferência de tecnologia não necessariamente gera vendas) e serão sentidos apenas após vários anos. Ressalte-se, aliás, que o contrato para a construção do primeiro satélite ainda não foi assinado. Especificamente sobre a situação da indústria local, o blog tem conhecimento de ao menos duas empresas que estão demitindo pessoal ou prestes a demitir. Ainda, é fato amplamente conhecido no setor a gravíssima crise financeira por que passa uma das principais indústrias brasileiras do setor (abordaremos este caso, em detalhes, mais adiante).

Nota 3: de acordo com as informações apuradas pelo blog Panorama Espacial, há discussões no âmbito do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação e AEB para a contratação da missão SABIA-MAR, em conjunto com a Argentina. O modelo analisado envolveria um prime contractor industrial, no qual a Visiona Tecnologia Espacial, surgiria como mais forte candidata. Em relação aos satélites para atender o SBCD, é possível que haja a participação do Comando da Aeronáutica (Ministério da Defesa), e também da Agência Nacional de Águas (ANA), subordinada ao Ministério do Meio Ambiente.


Fonte: Blog Panorama Espacial - André Mileski - 29/10/2013

Comentário: Primeiramente gostaríamos de parabenizar ao companheiro André Mileski por essa entrevista. Dito isso, analisando o que disse o Dr. Perondi, parece-me que a única certeza que o diretor do INPE tem é que ele não tem certeza de nada. E na verdade não pode ser diferente, afinal o governo que ele está subordinado não tem o menor compromisso com o programa espacial do país. Veja o caso do satélite Lattes. Esse satélite foi idealizado há quase uma década para supostamente facilitar a viabilização de dois projetos de microssatélites científicos idealizados no final da década de 90, ou seja, os microssatélites EQUARS e MIRAX, que então passaram a ser cargas úteis (missão) desse satélite científico Lattes. E agora, pelo visto, volta-se a configuração inicial. Já o Programa CBERS não há ainda uma definição de sua continuidade ou não (coisa que evidentemente já deveria ter sido definida), e existe a crença de que os chineses não tenha interesse em sua continuação, mas caso isso venha acontecer, será por outros interesses de ordem política, e não pelos interesses que deveriam motivar um programa como esse, mas enfim, isto é Brasil. Veja o caso da “III Reunião da Comissão Sino-Brasileira de Alto Nível de Concertação e Cooperação (COSBAN)”, evento este onde a decisão da continuação ou não do programa pode ser tomada. A parte brasileira vai ser liderada por mais uma eminência parda desse governo desastroso, e muito provavelmente nada de realmente significativo deverá sair dessa reunião na área espacial, restado mesmo muita conversa fiada e jogo de cena para mídia e sua grande audiência ignorante no assunto. Já quanto o Amazônia-1 leitor, esse é uma das maiores novelas do Programa Espacial Brasileiro. Pouco se fala sobre o mesmo, já que esse satélite está diretamente ligado à finalização da Plataforma Multi-Missão (PMM), projeto este que ninguém sabe, ninguém viu, e já fazem mais de dez que foi contratado na industria. Quanto aos projetos de cubesats e nanosatélites em curso com a participação do INPE e de outras instituições, me causa preocupação a aparente forma desinteressada com que o assunto foi tratado pelo diretor do INPE. Caros Dr. Durão e os envolvidos com esses projetos, abram o olho. SGDC, bom leitor, será que precisa acrescentar algo mais ao que foi dito pelo próprio diretor do INPE?  E finalizando com as perspectivas de novos contratos para a indústria. SABIA-MAR? Ora, senhor Perondi, com todo respeito que lhe devo, faça-me uma garapa. O Sr. só pode estar de brincadeira. Lamentável!

Um comentário:

  1. É como eu vivo dizendo. Enquanto esse povo diretamente envolvido no agora suposto Programa Espacial Brasileiro, continuar calado, vai ser isso aí ou pior.

    Eu responsabilizo a TODOS desde os presidentes e diretores ao mais humilde auxiliar de serviços gerais, passando por cientistas, técnicos e engenheiros, e também o sindicato da categoria. Falta ATITUDE !!!

    Por poucos centavos, uma parcela considerável da população minimamente organizada, se mobilizou e fez com que não um, mas vários governos estaduais voltassem atrás em decisões tidas como definitivas.

    Lembrem-se daquela máxima histórica: "Para que o mal prevaleça, basta que os homens de bem nada façam".

    Então, se ainda restam homens de bem nessa área, eles não estão fazendo absolutamente nada para mudar esse estado de coisas.

    Continuamos esperando desse pessoal apenas uma coisa: ATITUDE !!!

    ResponderExcluir