sexta-feira, 19 de abril de 2013

Os Motores Foguetes do IAE e o Empecilho DILMA

Caro leitor!

Desde que criamos o Blog BRAZILIAN SPACE em 30/04/2009, temos trazido para nossos leitores informações sobre as atividades espaciais do Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE), especialmente na área de motores-foguetes, por ser esta área de suma importância para o desenvolvimento de nosso programa espacial.

Afinal, sem os motores não teremos como alcançar o sonho de todos nós, que é nada mais, nada menos, do que colocarmos um satélite em órbita com os nossos próprios meios, e assim entrar definitivamente para o Clube dos países que dominam o ciclo completo de acesso ao espaço.

Diante disso, não há como negar que a Divisão de Propulsão Espacial (APE) junto com o Laboratório de Propulsão Líquida (LPL), ambos do IAE, deveriam em nossa opinião estar nesse momento tendo total apoio da Agência Espacial Brasileira (AEB), do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e principalmente e incondicionalmente do Governo DILMA ROUSSEFF e do Congresso Nacional.

Infelizmente não é o que acontece, e projetos como os dos Motores Líquidos L5, L15, L75, e do gigantesco Motor Sólido S50, continuam sofrendo atrasos em seus cronogramas, e assim atrasando toda uma cadeia de desenvolvimento de projetos cruciais para essa área no Brasil, como o VLS Alfa, o VLS Beta e o VLM-1, sem contar o descaso com o projeto do VLS-1, o qual também contribui para atrasar os projetos dos foguetes Alfa e Beta.

Ora, essa falta de compromisso desse governo desastroso com o programa espacial do país, não é exatamente algo novo, é algo que remota ao governo do ex-presidente “Fernando Collor de Melo”, mas a cada ano que decisões cruciais não são tomadas, e quando são, resultam em coisas como a criação da Alcântara Cyclone Space (ACS), a situação se complica, e não é por acaso que o quadro do PEB tenha se deteriorado muito desde o governo Collor de Melo.

É inadmissível que o Brasil após mais 50 anos de programa espacial ainda sequer tenha colocado um satélite em órbita (nem mesmo um parafuso), disso todos nós sabemos e lamentamos, mas é ainda mais inaceitável após tanto tempo não termos nem um motor foguete líquido pronto para ser utilizado em voo.

O MFPL L5 (Motor Foguete de Propulsão Líquida L5) finalizou seus testes em solo em dezembro de 2011, e agora se encontra em ‘stand-by’ na espera da finalização do “Sistema de Alimentação Motor Foguete (SAMF)”, para poder assim ser testado finalmente em voo através de um foguete especialmente adaptado para esse teste, ou seja o VS-30/L5 que será composto por um motor foguete sólido S30 em seu primeiro estágio, e o L5/SAMF em seu segundo estágio.

MFPL L5 

Concepção Artística do VS-30/L5

Já o MFPL 15 que está sendo desenvolvido pelo IAE em parceria com a empresa brasileira “Orbital Engenharia” (a mesma empresa que em parceria com IAE desenvolve o SAMF), até onde eu sei não finalizou ainda seus testes em solo. E da mesma forma que o L5, o L15 se encontra em ‘stand-by’ na espera da finalização do SAMF. Porém nesse caso, após a finalização desse sistema de alimentação, diferentemente do L5, o L15 deverá ser ainda qualificado em solo e depois em voo através de um foguete especialmente desenvolvido para esse teste, ou seja, o VS-15, que será composto por um único estágio com o L15/SAMF.

MPFL L15 em Teste no IAE

Concepção Artística do VS-15/SAMF

O Modelo de Qualificação do SAMF acoplado a um MFPL L15

Já o MFPL 75, motor de suma importância para os projetos do VLS Alfa e Beta, esse tem avançado muito devagar e precisa de investimentos também em infraestrutura humana e física no LPL (Laboratório de Propulsão Líquida) que já deveriam ter sido feitos desde a década passada. Evitando com isso ter de depender de acordos difíceis com outras nações para testá-lo quando o motor estiver em fases de desenvolvimento que exija essa infraestrutura, ou mesmo, quando esteja pronto para ser testado em banco de provas.

Até agosto de 2012 as etapas de desenvolvimento já concluídas do MFPL 75 eram as seguintes:

1 - Especificação do Motor MFPL L75
2 - Cálculos Preliminares
3 - Planejamento de Verificação
4 - Revisão de Requisitos do Sistema (SRR)
5 - Especificação dos Sistemas
6 - Projeto Mecânico Preliminar
7 - Análises
8 - Projeto Mecânico dos Modelos de Desenvolvimento
10 - Revisão Preliminar de Projeto (PDR)
11 - Especificação dos Componentes - Modelos de Engenharia
12 - Revisão do Memorial de Cálculo e dos Projetos

No mesmo período as etapas de desenvolvimento do MFPL 75 em stand by, em andamento e as não concluídas eram as seguintes:

9 - Fabricação e Testes dos Modelos de Desenvolvimento (stand by)
13 - Análises (em andamento)
14 - Projeto Mecânico Detalhado (em andamento)
15 - Projeto de fabricação (em andamento)
16 - Procedimentos de Montagem, Inspeção e Testes (em andamento)
17 - Projeto Mecânico dos Modelos de Engenharia (em andamento)
18 - Fabricação dos Modelos de Engenharia (depende de novos contratos)
19 - Testes dos Modelos de Engenharia (depende de novos contratos)
20 - Realimentação do Projeto Detalhado (depende de novos contratos)
21 - Revisão Crítica do Projeto (CDR) (depende de novos contratos)

Vale lembrar que em entrevista ao blog em outubro de 2012 (veja aqui), o Brigadeiro Kasemodel (Diretor do IAE) disse que uma das expectativas do Instituto para o ano de 2013 era a realização das etapas de fabricação do Modelo de Desenvolvimento do MFPL L75. Assim sendo, é de fundamental importância que essa meta seja alcançada, e vamos esperar que os energúmenos do Governo DILMA ROUSSEFF não venham se tornar um empecilho para alcançamos esse objetivo. Caso sim, que os energúmenos do Congresso Nacional que visitaram o IAE no dia de ontem (18/04), se mobilizem para criar as condições necessárias permitindo assim ao instituto atingir essa meta, e a eles justificarem os altos salários que recebem.

Maquete do MFPL 75 produzida pela
Acrux Aerospace Technologies

Fazendo justiça apresento agora ao leitor duas fotos com alguns dos valorosos profissionais (desconhecidos da sociedade) que atuam nessa importante Divisão de Propulsão Espacial (APE) e no Laboratório de Propulsão Líquida (LPL) do Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE).


Também senhores não podemos esquecer das atividades em curso ligadas ao desenvolvimento do MFPS S50 (Motor Foguete de Propulsão Sólida S50), este de suma importância para a conclusão do nosso Veículo Lançador de Microssatélites (VLM-1).

Modelo de Engenharia do MFPS S50

Concepção Artística do VLM-1 na Plataforma de Lançamento

Vale lembrar leitor que tanto o MFPS S50 como o VLM-1 são o resultado de uma parceria entre o IAE e o Centro Aeroespacial Alemão (DLR) visando inicialmente o lançamento do experimento alemão SHEFEX III, lançamento esse suborbital que deverá ser realizado do Centro de Lançamento de Alcântara (CLA) em 2016, isto é, se não tivermos um 'Empecilho DILMA' pelo caminho.

Em entrevista ao blog em fevereiro desse ano (veja aqui), o Gerente do Projeto do VLM-1, o Dr. Luis Eduardo Loures da Costa, disse que na sequência do processo de desenvolvimento do MFPS S50, a sua equipe estaria fazendo a qualificação estrutural do motor em princípios de 2014, o que criaria a possibilidade de um teste de queima em banco em finais de 2014, isto é, caso o fluxo de recursos financeiros fosse o solicitado. Diante disso, vamos aguardar que tudo saia de acordo com o que o Dr. Loures e sua equipe esperam.

Duda Falcão


Fontes: Com informações e fotos colhidas de material do IAE e da Orbital Engenharia.

3 comentários:

  1. Interessante. O que parece legal é o fato de eles terem já um modelo do SAMF para o L15 o que indica que o teste pode sair neste ano.

    Espero que 2013 seja um ano de realizações, porque se fosse lançado o VS-40 com o SARA sub-orbital no coifo, e se fizessem os testes com esses dois motores-foguetes, seria para nós um ano frutífero. Normalmente estamos habituado a assistir os lançamentos do VSB-30 e do VS-30, principalmente FORA do Brasil, então seria quase uma cereja em cima do bolo ver esses testes ainda em 2013.

    Se, além disso, pelo menos o teste na plataforma dos motores elétricos com o VLS-1 saísse também esse ano, aí sim poderia dizer que teriamos tido um ano em grande.

    ResponderExcluir
  2. Esta pais e estranho como a coisa e feita, e só ver qual tecnologia temos seja em que área for, como exemplo algumas áreas que não temos nada nacional, carro, moto, maioria dos eletrodoméstico, avião só o projeto e a carcaça, míssil estamos caminhando em passos lentos e temos que associar com outras nação ou multinacionais se quisermos fazer alguma coisa, em fim fora agricultura e olha que temos o clima a favor e nosso desenvolvimento na área se resume a poucas áreas, cadê nossa maquinas agrícolas nacionais e nossa produção extraordinária não temos nada, e não produzimos nada genuinamente nacional nada ou coisas pequenas.
    Ver países com tecnologia de misseis, Foguetes muitas vezes pais pequenos em vista do Brasil me deixa varias questões em aberto.
    Pergunto qual realmente e nosso problema, capacidade técnica e de celebro avançados, dinheiro ou os americanos que não nos deixa crescer em certas áreas por sermos seu quintal(quintal palavra do secretario americano).
    Enfim a começar pela nossa classe politica onde muitos ou a maioria mal teria o mínimo de conhecimento técnico em áreas chaves nem vou falar em patriotismo com esta classe, não são capazes de tocar um simples barzinho quanto mais ter capacidade e visão sobre como traçar e alinhar as metas para este pais e investir em áreas chaves e empresa nacionais,tendo toda cadeia industrial deste pais crescente e consolidado nacionalmente.
    As vezes vejo que esta nação falta a todos patriotismo, o próprio brasileiro já se alto desvaloriza ou acha que em tudo tem gente ganhando tem gente roubando e com certeza mau sabem que a coisa e mais embaixo ainda e muito pior do que se pensa.
    Foguetes já podíamos ter temos e tínhamos muita mentes brilhantes, hoje a facilidade do mundo se não nos vende construímos, compramos no mercado negro, importamos mentes brilhantes enfim, tudo e fácil quando se deseja alguma luta e se trabalha para alcançar os objetivos.
    Infelizmente este pais para desenvolver algo as vezes fica querendo inventar a roda ou alguém tem que ganhar ponto e muito dinheiro sem fazer nada simplesmente usando de politica.
    Precisamos de patriotas e mentes brilhantes mas também precisamos que os mesmo ponham a mão na massa e faça a coisa acontecer.
    Boa sorte a todos e que tudo de certo porque neste pais erro só políticos e poderosos podem cometer sem nenhuma consequência.

    ResponderExcluir
  3. DEVEMOS FAZER UMA CPI-AONDE FOI PARAR 1 BILHÃO DA UCRANIA, QUEM LUCROU, OU FOI APENAS MAIS FAVORES POLITICOS COM NOSSO DINHEIRO, NINGUÉM TEM RESPONSABILDADE NESTE GOVERNO COM O DINHEIRO PUBLICO? ESTOCA VENTO NA CABEÇA É UMA AMEBA SE DEPENDERMOS DELA TODOS FOGUETES EXPLODEM-ELA DEVERIA ESTUDAR MATEMÁTICA..7=4-=14....que é isso???

    ResponderExcluir