sexta-feira, 26 de abril de 2013

Garvey Receives SBIR Phase II Award

Hello reader!

It follows one communicates published on the day (04/25) in the website of “Parabolic Arc” emphasizing that "Garvey Spaceflight Corporation" received SBIR Phase II Award from NASA.

Duda Falcão

News

Garvey Receives SBIR Phase II Award

Doug Messier
April 25, 2013, at 2:22 pm

(Credit: Garvey Spacecraft Corporation)

NASA has selected Garvey Spacecraft Corporation for a Small Business Innovation Research Phase II award that will fund development of the company’s nanosat launch vehicle. The award, which is as much as $700,000 for work lasting up to two years, will fund continued development of an alternative hydrocarbon propulsion system powered by liquid oxygen and propylene.

Earlier this month, Garvey Spacecraft was selected for a SBIR Phase I award for different work development on the same booster. The award, which has a maximum of $200,000, was for “the continued functional evolution and concept refinement of an incremental series of test vehicles” to serve the nano- and micro-sat launch markets.

The company’s initial goal is to deliver  10 kg payloads into a 250-km orbit. A larger version of the booster will be designed to place satellites weighing up to 20 kg into a 450-km orbit.

SBIR PHASE II
PROPOSAL SUMMARY

PROPOSAL TITLE: Alternative Hydrocarbon Propulsion for Nano/Micro Launch Vehicle (NMLV)

SUBTOPIC TITLE: Nano/Small Sat Launch Vehicle Technology

SMALL BUSINESS CONCERN
Garvey Spacecraft Corporation
Long Beach, CA

PRINCIPAL INVESTIGATOR/PROJECT MANAGER
Christopher M Bostwick

Estimated Technology Readiness Level (TRL) at beginning and end of contract:
Begin: 4
End: 7

TECHNICAL ABSTRACT
LOX/propylene

POTENTIAL NASA COMMERCIAL APPLICATIONS
Operational NMLV

POTENTIAL NON-NASA COMMERCIAL APPLICATIONS
Commercial NMLV

TECHNOLOGY TAXONOMY MAPPING

Cryogenic/Fluid Systems
Fuels/Propellants
Hardware-in-the-Loop Testing
Launch Engine/Booster
Material Handing & Packaging
Models & Simulations (see also Testing & Evaluation)
Prototyping
Space Transportation & Safety


Source: Website of Parabolic Arc - http://www.parabolicarc.com

Comentário: Pois é leitor, mal colocamos aqui ontem os planos da “Garvey Spacecraft Corporation” com relação a veículos lançadores de nanossatélites, sai à notícia dessa conquista momentânea por parte dessa empresa junto a esta competição da NASA.  No Brasil, apesar de termos pequenas empresas e profissionais capazes de realizar projetos de veículos lançadores de nanossatélites tão bons quanto os planejados por essa empresa americana, infelizmente falta ainda uma visão empreendedora a nossa iniciativa privada que permita os investimentos em pequenas empresas especializadas na área, como a "Edge Of Space", "Acrux Aerospace Technologies" e a "AIRVANTIS", empresas essas que com seus projetos de veículos lançadores, aguardam por investidores visionários que resolvam apostar nessa nova fronteira da humanidade.  Vale lembrar que na nota anterior sobre a “Garvey Spacecraft”, o Eng. José Miraglia da "Edge Of Space" fez um comentário dizendo:  “A Edge of Space está no momento com recursos de outros projetos comerciais, parte destes recursos é investido no desenvolvimento de um nano lançador. Se tivéssemos um patrocínio ou um investimento, uma grande empresa, num prazo muito curto colocaríamos um pequeno satélite em órbita, aguardamos interessados em investir nesta tecnologia e em nossos projetos”.  Bom leitor, enquanto a iniciativa privada não acorda, nos resta então continuar com a esperança no projeto do VLM-1 do Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE), que não é exatamente um lançador de nanos e sim de microssatélites, mas que na atual conjuntura é talvez o projeto  mais próximo de se realizar nessa área, mesmo tendo o “ED” pela frente.

3 comentários:

  1. Já companho os desenvolvimentos dessa empresa a algum tempo.

    O foguete deles tem algumas características bem interessantes: é movido a combustível líquido, é montado em um eixo de balancins, a tubeira é construída com material não abrasivo, e por consequência é muito mais simples.

    Em resumo, esta pequena empresa, já conseguiu avançar mais nessas áreas que nós por aqui. Em breve, os estudantes que estão se pós graduando e doutorando as nossas custas lá fora, por conta do tal "bolsa família sem fronteiras", devem conseguir bons empregos nessa e em outra empresas semelhantes.

    Lamentável.

    ResponderExcluir
  2. Outro aspecto que deve ser ressaltado, observem bem nos desenhos à direita, a evolução proposta para o projeto.

    Vejam que o projeto parte de um desenho básico, depois ele é alongado, depois ganha um segundo estágio, e só então o módulo básico é montado numa "penca" de três para formar um primeiro estágio mais potente.

    Uma evolução lógica, com grandes chances de dar certo.

    Att.

    ResponderExcluir