quarta-feira, 17 de abril de 2013

Brasil e Argentina Avançam Com Missão SABIA-Mar

Olá leitor!

Segue abaixo uma matéria publicada no “Boletim Espaço Brasileiro” (Ano 1 - Núm. 06 - Abril de 2013), este publicado pela Agência Espacial Brasileira (AEB), destacando que Brasil e Argentina avançam com a Missão do Satélite SABIA-Mar.

Duda Falcão

Brasil e Argentina Avançam
Com Missão SABIA-Mar

Boletim Espaço Brasileiro
Abril 2013

A pesquisa oceanográfica ocupa hoje lugar de destaque no âmbito de observação do Planeta, inclusive no que diz respeito às mudanças climáticas. O Brasil dispõe de uma extensa costa e conta com uma vasta exploração de recursos naturais em seu mar territorial e mesmo na zona de exploração econômica. Ao mesmo tempo, a observação da cor do oceano será cada vez mais importante, como também o monitoramento da zona costeira, imprescindível, sobretudo, à proteção dos recursos naturais naquela faixa e à garantia das atividades pesqueiras de forma perene.

Por isso, Brasil e Argentina se uniram para desenvolver dois satélites de observação oceanográfica, em especial da costa atlântica, desde o norte do Brasil até o sul da Argentina. A Missão é denominada como SABIA-Mar. Serão dois satélites destinados a monitorar prioritariamente o meio ambiente marinho e os recursos hídricos litorâneos dos dois países. Além dessa missão primária, os artefatos poderão, também, observar águas interiores, e obter dados em escala global da cor dos oceanos.

Segundo o diretor de Política Espacial e Investimentos Estratégicos da Agência Espacial Brasileira e membro do Grupo de Trabalho do SABIA-Mar, Petrônio de Souza, as imagens geradas serão de grande importância científica e econômica, servindo para ampliar a base de conhecimento e o monitoramento de grandes áreas marinhas. “Esse conhecimento beneficiará a gestão dos ambientes costeiros, onde uma série de importantes atividades econômicas são desenvolvidas, tais como pesca e exploração petrolífera”, completa Petrônio.

Fazem parte do grupo de trabalho da missão: Agência Espacial Brasileira (AEB), o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e a Comissão Nacional de Atividades Espaciais da Argentina (CONAE). O Grupo de Trabalho (GT) da missão é composto por membros desses órgãos e ainda por representante das indústrias brasileiras da área espacial.

Atualidade - Nos dias 14 e 15 de março de 2013, o Grupo de Trabalho da missão reuniu-se na sede da Comissão Nacional de Atividades Espaciais (CONAE), em Buenos Aires, na Argentina, e também realizou uma reunião com usuários argentinos do satélite.

Na reunião do dia 14, o Grupo de Trabalho (GT) da missão se reuniu na sede da CONAE. Esta foi a segunda reunião do GT do SABIA-Mar. O grupo definiu, também, a função de cada equipe técnica, bilateral.

Na sexta-feira (15), foi realizada a Reunião de Usuários Argentinos do novo satélite. Além do Grupo de Trabalho do SABIA-Mar, participaram do evento os principais institutos e organismos argentinos que estudam e investigam águas, mares e oceanos. No evento, os usuários conheceram o atual estágio da missão e também discutiram requisitos acerca dos dados a serem produzidos. O objetivo é que o SABIA-Mar supra a maioria das necessidades da comunidade de usuários.

Nos dias 13 e 14 de maio, será realizado em Brasília o Workshop SABIA-Mar para os usuários brasileiros do satélite. No dia 17, a indústria espacial brasileira se reunirá, em São José dos Campos (SP) para o Workshop SABIA-Mar Indústrias Brasileiras. O objetivo desta reunião será compartilhar com a indústria nacional informações técnicas relevantes sobre a missão e discutir o modelo de industrialização a ser adotado, assim como as possíveis formas de financiamento. Adicionalmente, o encontro também servirá para coletar opiniões e recomendações da indústria, e saber de suas expectativas para este novo programa.

Entre agosto e setembro, o estudo em elaboração pelos grupos de trabalho brasileiro e argentino completará a denominada Fase A do projeto. Seu resultado trará de forma organizada os requisitos para a missão, o conceito de operação do sistema, os conceitos preliminares a serem adotados para o projeto dos satélites, os cronogramas de desenvolvimento e estimativas de custo, dentre outras informações.

Festa do Interior com Gal Costa


Fonte: Boletim Espaço Brasileiro - Ano 1 - Número 6 - pág. 02 -  Abril de 2013

Comentário: Trago essa matéria para você leitor pelo fato da mesma ser bem objetiva descrevendo o que já foi feito nesse projeto desde a implantação do Grupo de Trabalho conjunto da missão e quais serão os próximos passos. Entretanto, é preciso lembrar que essa história de satélite conjunto com a Argentina vai completar 15 anos em novembro desse ano, e de lá pra cá foram realizadas, tanto no Governo Fernando Henrique Cardoso (quando nasceu o projeto ainda com o nome de Sabia3), como nos dois Governos LULA e agora no Governo DILMA ROUSSEFF, diversas reuniões políticas e técnicas que não resultaram em nada, há não ser em gastos públicos. Além disso, recentemente em entrevista ao jornal “VALOR ECONÔMICO” o presidente da AEB, o Sr. José Raimundo Braga Coelho, disse que o projeto receberá um veredito até julho da President”A” DILMA ROUSSEFF quanto a sua continuidade ou não (veja a matéria clicando aqui). Pois é leitor, como você mesmo pode notar, para essa gente o dinheiro do povo é capim, e a festa do interior já está instalada, só faltando mesmo convidar a minha querida GAL COSTA para comandar a mesma. Falando serio leitor, a importância desse projeto transcende os resultados científicos e tecnológicos, pois além deles, existe também o político, esse de fundamental importância para toda a América Latina, pois o sucesso desse programa, certamente seria um embrião para criamos no futuro uma Agência Espacial Latino-Americana (AELA), liderada pelos dois países conjuntamente com o México, a Venezuela e o Chile. Mas para isso leitor seria necessário comprometimento e seriedade, coisa que não existe no governo brasileiro há décadas. Veja você leitor que segundo ficou acertado, a plataforma desses satélites será a PMM brasileira (o Brasil não abre mão disso) o que cria a oportunidade de lançarmos ambos satélites através do VLS BETA do IAE, ponto. O que deveria o governo fazer então? Ora, um governo sério e comprometido com o desenvolvimento de seu país, estabeleceria essa missão como meta, gerando para o setor não só tecnologia e conhecimento científico, como também empregos e renda de alto valor agregado durante pelo menos 10 anos, fora o resultado político que isso representaria como já citado por mim acima. Mas a verdade é que o governo DILMA ROUSSEFF só tem interesse em projetos populistas, em rodadas de pizza e em FESTAS DO INTERIOR. Assim sendo, não poderia deixar de dar a minha colaboração.

2 comentários:

  1. Isso faz-me lembrar um sketch português, o "falam, falam, falam, mas não os vejo a fazer nada, pá!" (video).

    ResponderExcluir
  2. Pô Duda. Pegou pesado agora...

    Agência Espacial Latino-Americana? Corre o risco de o "Maduro" já chegar querendo mudar o nome para "Agência Espacial Bolivariana.

    Na minha modesta opinião e devido a questões históricas, sociais e outras que tal, os únicos países da América Latina que tem algum grau de desenvolvimento político são o Chile e o Uruguai, e mesmo assim, com restrições. O México por exemplo, consegue a façanha de ser governado a anos pelo "partido" mais antagônico jamais visto: o Partido Revolucionário Institucional. Se alguém conseguir explicar uma revolução institucional...

    Os nossos hermanos, são governados por uma caudilha populista candidata a ditadora. Os venezuelanos "aMadureceram" a ditadura do Chaves. Por aqui, nem precisa falar né, todos sabemos.

    Enfim, sonhar ainda não custa nada, mas sinceridade... Acho que tem que rolar MUITA, mas MUITA evolução social nesses países para chegar a uma agência espacial unificada. Do jeito que estão esses "governos", ao invés de dividir responsabilidades e tecnologia, seria uma divisão de "micos", isso sim.

    Att.

    ResponderExcluir