segunda-feira, 19 de novembro de 2012

NASA Vai Construir Estação Espacial Lunar

Olá leitor!

Segue abaixo uma matéria postada hoje (19/11) no site “Inovação Tecnológica” destacando que a NASA americana vai construir uma Estação Espacial Lunar.

Duda Falcão

Espaço

NASA Vai Construir Estação Espacial Lunar

Redação do Site Inovação Tecnológica
19/11/2012

[Imagem: Lockheed Martin]
Nave Orion no ponto EML-2. A estação lunar
deverá usar laboratórios similares aos da
Estação Espacial Internacional e poderá ser
usada para controlar robôs na superfície da Lua.
Estação Espacial Lunar

Com a eleição de Barack Obama para um segundo mandato, aumentaram os rumores de que a NASA construirá uma Estação Espacial Lunar.

O posto espacial deverá ficar a 60.000 quilômetros além da Lua, com vista para o lado do satélite que não é visto da Terra - literalmente, onde nenhum humano jamais foi antes.

A estação deverá ficar em um ponto conhecido como Ponto de Lagrange Terra-Lua 2, ou EML-2.

Este é um dos pontos onde a gravidade da Terra e da Lua se equilibram, permitindo que uma estação espacial "flutue" sobre a Lua sem gastar combustível.

Esse espaçoporto poderá ser importante em missões tripuladas de exploração de um asteroide ou de Marte - ambas listadas por Obama em suas prioridades para a NASA.


Exploração da Lua

A construção da Estação Espacial Lunar é tida como altamente provável pelos especialistas porque tudo poderá ser feito usando as tecnologias já empregadas na Estação Espacial Internacional.

Oficialmente, contudo, até o momento a NASA apenas confirmou que enviará uma cápsula em uma viagem em torno da Lua em 2017 e uma missão tripulada em órbita da Lua em 2021.

"A NASA está executando o ambicioso plano de exploração espacial do Presidente, que inclui missões ao redor da Lua, a um asteroide e eventualmente a Marte," disse Rachel Kraft, porta-voz da NASA.

"Há um grande número de alternativas e opções sendo discutidas para ajudar a estabelecer o conhecimento e as capacidades necessárias para chegarmos lá, e outras opções estão sendo consideradas conforme nós tentamos diminuir os riscos," completou.

[Imagem: David A. Kring
Lunar and Planetary Institute]
Pontos de Lagrange para o sistema Terra-Lua.
O ponto L2 é mais distante do que qualquer
humano já viajou e oferece uma visão única
tanto da Lua quanto da Terra.
Exploração Robotizada da Lua

O ponto de Lagrange onde deverá ficar a Estação Lunar, conhecido como EML-2, é mais longe do que qualquer astronauta já tenha ido.

Como não é protegido pelo escudo magnético da Terra, será um local perfeito para testar sistemas de suporte de vida para viagens espaciais de longa duração.

Uma base a essa distância da Lua viabilizará também a exploração do satélite terrestre por robôs controlados remotamente em tempo real.


Embora a distância entre a Terra e Lua gere um retardo de apenas 3 segundos nas comunicações, isso é suficiente para tornar esse controle impraticável, conforme ficou demonstrado em um teste recente realizado pela NASA e pela ESA.


A expectativa é que a NASA confirme oficialmente a criação da Estação Espacial Lunar em Fevereiro do próximo ano, quando será aprovado o novo orçamento da agência espacial.


Fonte: Site Inovação Tecnológica

Comentário: Pois é leitor, quando vejo notícias como essa, fico cada vez mais desmotivado com o atual rumo do Programa Espacial Brasileiro. Com 52 anos de existência (o quarto mais antigo do mundo) não éramos para estar nessa situação com o nosso PEB, e certamente deveríamos estar num estagio parecido com o da CHINA, ou talvez como a Índia ou mesmo o Japão. Veja o exemplo da área Aeronáutica, apesar de termos gerado o pai da aviação, a nossa primeira empresa aeronáutica só produziu o seu primeiro avião de sucesso em série em 1969, o BANDEIRANTE, ou seja, 63 anos após o voo histórico do 14 Bis. Vale dizer ainda que apesar de temos avançado muito com extremo atraso desde 1969, até hoje não fomos capazes de produzir um caça supersônico de superioridade aérea. Infelizmente para o nosso país o programa espacial segue pelo mesmo caminho, sem ter ainda alcançado qualquer resultado significativo, vivendo de promessas e idolatrando de..loides de carreira que infelizmente vivem em Brasília como ervas daninhas a prejudicar o futuro de nossos filhos e de nossa sociedade por décadas a fio, valendo-se infelizmente da ignorância de nosso povo. Lamentável!  

4 comentários:

  1. Bom Duda, contra os fatos não há argumentos.

    Mas gostaria de deixar aqui um fio de esperança.

    Devido a minha atividade profissional, tive muitos contatos com o pessoal da Índia, e posso garantir que os problemas que eles enfrentam lá em relação aos políticos são da mesma ordem só que em proporção MUITO MAIOR.

    Basta ver algumas imagens na internet para ter ciência de que a Índia tem os mesmos problemas de diferenças sociais, só que também numa proporção MUITO MAIOR.

    E a solução, tanto lá, quanto aqui, passa por uma só alternativa:

    AÇÕES DE QUEM ESTÁ NA BASE DO SISTEMA.

    Pois esperar algo de melhor dessa classe política que assola esse dois países, é sinônimo de esperar muito e não ver nada acontecer.

    As pessoas que estão na base dessa pirâmide, precisam começar a se organizar em prol não dos seus respectivos empregos, mas sim em relação ao bem das futuras gerações. Pensem Srs. São os nossos filhos que vão herdar esse programa espacial...

    Vocês que hoje fazem parte desse sistema, é que podem fazer algo !!!

    É isso.

    ResponderExcluir
  2. Honestamente, lembrando das palavras de um funcionário do PEB, só conseguiriamos lançar foguetes maiores (da categoria Epsilon do Programa Cruzeiro do Sul) em cerca de 30 ou 40 anos. Então espero que o programa brasileiro se organize e fique razoavelmente e fique bem visto para outros procurarem alianças connosco, encurtando o tempo desse processo (evitando nos metermos em encruzilhadas sem perspectivas como o programa da ACS). Espero que na altura em que conseguirmos reforçar nossos recuros humanos e financeiros (com os projetos em vista) possamos consolidar esse programa nos próximos 10 à 15 anos.

    Seria ótimo se o governo se aproveitasse de iniciativas como a do SpaceMeta para visionar algo maior. Mas o futuro é indistinto por causa da classe política que temos atualmente. Admira-me como as coisas são feitas numa discrição e lentidão excruciantes. O único alento agora seria construírem um plano SÓLIDO (em etapas bem definidas) para o reforço e crescimento da área espacial deixando o caminho preparado para as futuras gerações. Fico grato pelas pequenas iniciativas e projetos que se aproximam, que mostram o enorme empenho de alguns. Mas isso tudo será inútil se não organizarem já uma perspectiva sólida para o futuro. Faço das minhas palavras as palavras do Marco.

    ResponderExcluir
  3. É Israel,

    Nós aqui somos apoiadores de idéias para colocar as coisas num bom rumo, mas em minha opinião, cabe ao pessoal "da base do sistema" começar a "fazer barulho" e lutar por um plano "SÓLIDO E REALISTA, COM ETAPAS BEM DEFINIDAS", pois ficar nessa mesmice, recebendo os salários no fim do mês, acreditando que um dia vai melhorar, só vai nos levar a completa inanição do programa, e então nem os empregos deles mesmos terão mais razão de ser.

    #tenso

    ResponderExcluir
  4. Concordo com os amigos, por enquanto humildemente oque posso fazer é estudar e me preparar muito para o PEB, só espero que quando nós, a próxima geração estiver pronta, ele esteja preparado para nós...

    ResponderExcluir