sábado, 23 de julho de 2011

Entrevista com o Idealizador do Projeto UBATUBA SAT

Olá leitor!

O ano de 2011 tem trazido a nós amantes da astronáutica, da tecnologia espacial desenvolvida no Brasil e da educação direcionada para o setor, algumas notícias animadoras e esperançosas, pelo menos em relação a iniciativas não governamentais.

Dentro desse contexto, podemos citar dentre as mais significativas a participação de quatro equipes brasileiras no Prêmio N-Prize (UnB, NTA, Coyote Rockets, Edge of Space), a participação da equipe brasileira SpaceMETA no Google Lunar X-Prize, o lançamento pela Coyote Rockets Company dos Programas CAE e Skyward Brasil, o lançamento do primeiro Spacecamp brasileiro pela Acrux Aerospace Tecnologies, a parceria estabelecida pelo grupo  Edge Of Space com a empresa sérvia “EdePro” para o desenvolvimento de um motor-foguete a propulsão líquida de 50kN, o envolvimento de diversas universidades em atividades espaciais e principalmente o desenvolvimento de um Tubesat (pequeno satélite) por estudantes do ensino médio de uma escola municipal da cidade de Ubatuba-SP (Projeto UBATUBASAT – Tancredo-1).

Aluna trabalha em placa do satélite
(Foto: Elaine Pinho)
Desde que tivemos ciência dessa iniciativa dos estudantes da Escola Municipal Tancredo Neves de Ubatuba, vínhamos tentando de várias formas entrar em contato com o idealizador do projeto, o professor Cândido Moura, sem qualquer sucesso e confesso que já tínhamos pedido a esperança.

Entretanto, após uma conversa informal que tivemos com o diretor da Acrux, o senhor Oswaldo Loureda (ao qual aproveito para agradecer publicamente), conseguimos então através dele o e-mail do professor e imediatamente entramos em contato.

O professor Cândido Moura foi muito receptivo e atencioso para com o nosso blog, respondendo a todas as nossas perguntas que seguem abaixo na íntegra. O blog “BRAZILIAN SPACE" aproveita para agradecer ao professor Moura pela atenção e desejar sucesso ao mesmo e a todos os envolvidos no projeto.

AVANTE TANCREDO-1

Duda  Falcão

Professor Cândido com alguns
alunos do Projeto
(Foto: Elaine Pinho)
BRAZILIAN SPACE: Professor Cândido, nos fale sobre o senhor. Sua idade, formação, onde nasceu, trajetória profissional e desde quando o senhor trabalha na Escola Municipal Tancredo Neves de Ubatuba?

PROF. CÂNDIDO MOURA: Tenho 51 anos, nasci em Ubatuba, sou graduado em Física pela Universidade de Taubaté e tenho três pós  na área de gestão.  Trabalho na escola Tancredo desde 83.  A Escola Tancredo até 10 anos atrás era uma escola técnica de segundo grau exclusivamente na área de gestão (Administração, Contabilidade, Secretariado).  Nessa época ela se fundiu com outra escola municipal e passou a ter o ensino fundamental de 5ª a 8ª série. E há cinco anos dei aula pela primeira vez no ensino fundamental.

BRAZILIAN SPACE: Como surgiu à idéia da criação desse projeto de satélite e o que lhe estimulou a realizá-lo?

PROF. CÂNDIDO MOURA: Em fevereiro de 2010, li na revista Superinteressante uma nota que a Interorbital Systems, da Califórnia, tinha desenvolvido um foguete – um novo lançador – de baixo custo e estava comercializando kits de microsatélites e eu achei interessante montar um com meus alunos. Conversei com colegas professores e com alguns empresários, pois sabia que teria que levantar recursos na iniciativa privada e todos gostaram da idéia. Entramos em contato com a empresa americana que confirmou as informações e enviou a minuta de contrato para analisarmos. E a empresa já nesse momento, no primeiro contato, nos informou que os nossos alunos seriam os mais jovens do mundo a participar de uma pesquisa espacial e também nos alertou que precisaríamos de um suporte técnico. Por conta disso recorremos ao INPE que já na primeira reunião se prontificou a nos ajudar.

Em setembro já tínhamos a parte burocrática e financeira praticamente resolvida.  Fizemos então a apresentação do projeto para os alunos e para os pais e iniciamos o treinamento deles construindo um arduino (uma cpu)  que permite você controlar um robô  ou automatizar uma residência, como sendo o primeiro treinamento para que eles pudessem adquirir as habilidades para depois construir o satélite.

Já fiz outros projetos ligadas a área de ciência mas eram todos pontuais. Eu acho que o ensino de ciência no Brasil ocorre de forma equivocada que normalmente se coloca um texto sobre algum assunto de ciência e se faz algumas perguntas cujas respostas estão no texto. De modo que o aluno se forma e muitas vezes nunca pisou num laboratório ou nunca teve nenhum contato com a ciência propriamente dita. Achei que esse assunto – tecnologia espacial – é bem abrangente, um grande guarda chuva para que várias áreas da ciência concorrem para viabilizá-la.

Aluno trabalho no satélite
sob a supervisão de uma
professora (Foto: Elaine Pinho)
BRAZILIAN SPACE: Professor, quantas crianças estão atualmente envolvidas no desenvolvimento do satélite e são todas elas da Escola Municipal Tancredo Neves ou existem crianças de outras escolas participando do projeto?

PROF. CÂNDIDO MOURA: Cerca de  60 alunos estão envolvidos no projeto e todos estudam na escola Tancredo e pertencem ao sétimo ano.

BRAZILIAN SPACE: Professor Cândido, em nosso primeiro contato por e-mail o senhor fez questão de dividir a realização desse projeto com outras instituições e pessoas. Esclarecendo para nossos leitores professor, quais seriam essas instituições e pessoas que colaboraram e/ou ainda colaboram para o sucesso desse projeto?

PROF. CÂNDIDO MOURA:  Os professores de ciência (Mariléia, Rogério, Patrícia, Marcelo), os professores de inglês (Mariana e Emerson), a equipe gestora da escola; a prefeitura de Ubatuba, muito especialmente a Secretaria de Educação; o INPE; a empresa Globalcode e os nossos patrocinadores. Outro grande incentivador é o físico Dr. Sergio Mascarenhas da USP, ele é o grande divulgador do nosso trabalho, se você ficou sabendo do UBATUBA SAT deve isso a ele e não a mim.

BRAZILIAN SPACE: Professor, recentemente o senhor esteve participando como palestrante do “International Symposium on Space Technology and Science (ISTS) ocorrido no Japão. Fale-nos como surgiu a possibilidade de sua participação neste simpósio, os objetivos alcançados e a repercussão de sua palestra durante o evento.

PROF. CÂNDIDO MOURA:  Eu e mais três pesquisadores do INPE escrevemos um artigo cientifico (na realidade, o segundo que produzimos)  e submetemos aos organizadores do congresso japonês. O artigo foi aceito e havia necessidade de algum dos autores apresentá-lo de acordo com as regras do congresso. A palestra despertou interesse quase que unânime entre os ouvintes, foram feitas várias perguntas, inclusive estourando o nosso tempo previsto de apresentação. Ao escrevermos o artigo queríamos apresentar o trabalho para a comunidade científica internacional e através do congresso conseguimos atingir esse objetivo. O artigo anterior  nós apresentamos no 13º IGIP, que é uma entidade de origem austríaca, cuja finalidade é melhorar o ensino de engenharia no mundo.

Fotos do simpósio no Japão

BRAZILIAN SPACE: Professor nos fale sobre o satélite, seu tamanho, função, data de lançamento, local, foguete lançador.

PROF. CÂNDIDO MOURA: O UBATUSUBA SAT é um satélite que pesa 750 gramas tem 8.9 cm de diâmetro e 12.7 de altura. É um rack de quatro placas de circuito impresso, uma delas com antena de recepção e transmissão, outra com controle de energia elétrica, outra com computador de bordo e a outra com transciver.

Deveremos terminar a sua construção em setembro. Daí ele será testado no LIT, que é o laboratório de integração e testes do INPE e será exportado para os EUA para ser colocado em órbita em novembro.

O Tancredo1, que é o nome do primeiro satélite do programa UBATUBA SAT, será lançado da Califórnia ou ainda de Tonga, que é uma ilha no Pacifico ao lado da Austrália, caso o governo americano autorize a exportação do foguete para aquele país, como pretende a Interorbital.

Deveremos levar seis alunos aos Estados Unidos para participarem de uma jornada cientifica que será organizada pela Interorbital para eles. Ainda não sabemos se será possível conjugar essa jornada com o lançamento.

O satélite Tancredo-1 que está sendo
construído pelo alunos da Escola Tancredo
Neves deUbatuba (Foto: Elaine Pinho)
BRAZILIAN SPACE: Professor haverá alguma forma de monitorar o satélite no espaço, e neste caso de onde isso será feito?

PROF. CÂNDIDO MOURA: Será possível sim, e o monitoramente será feito a partir da nossa própria escola. Para tanto, vamos instalar uma antena com essa finalidade.

BRAZILIAN SPACE: Professor, segundo informações colhidas pelo blog, existe uma espécie de subprojeto que é parte integrante do projeto de desenvolvimento do satélite que se chama “Projeto UBATUBINO”. Fale-nos sobre esse projeto professor e mais especificamente sobre a sua função e objetivos?

PROF. CÂNDIDO MOURA: O UBATUBINO foi desenvolvido pela Globalcode, que é uma empresa que originalmente foi contratada para dar um treinamento para os professores na área de eletrônica. Eles se encantaram com o projeto e passaram a ser colaboradores a partir daí. Eles desenvolveram essa placa, que é uma CPU, que permite você controlar um robô, ou automatizar uma residência e, o primeiro treinamento que os alunos receberam na área de eletrônica, foi feita através da construção dessa placa. Eu pretendo, na continuação do projeto, construir can sats e pretendo usar o arduino para isto. Vamos conversar com o Vinicius e a Iara da Globalcode sobre isto.

BRAZILIAN SPACE: Professor Cândido, com a finalização do “Projeto UBATUBASAT” existe o seu interesse e de seus colaboradores em seguir em frente com a realização de algum outro projeto de satélite?

PROF. CÂNDIDO MOURA: O nome foi escolhido propositalmente para indicar o nosso objetivo de construirmos o Tancredo 2. Acho que podemos  a partir do arduino construirmos can sats e lançarmos aqui de Ubatuba mesmo. Na “I Semana de Astronomia e Astronáutica” da escola Tancredo  realizada agora em julho, o Dr. Osvaldo Loureda lançou um foguete aqui em Ubatuba. Acho que podemos conciliar as duas coisas e treinarmos alunos na quinta série para fazer isto. Eu vi o pessoal fazendo isto no Japão só que com alunos universitários e existe inclusive competições internacionais  de can sat.

BRAZILIAN SPACE: Professor Cândido, recentemente quatro equipes brasileiras se inscreveram para participar do prêmio N-Prize (http://www.n-prize.com/), são elas: Grupo de Propulsão Hibrida da UnB, Núcleo Tecnológico do Agreste (NTA), Edge Of Space e a Coyote Rockets Company. Assim sendo professor, com a experiência adquirida pelo senhor e por sua equipe no Projeto UBATUBASAT, e como um dos objetivos da competição é justamente colocar um pico ou nanosatélite em órbita, e já que essas equipes estão mais envolvidas com o foguete lançador, não seria interessante um contato de seu grupo para saber qual dessas equipes estaria interessada numa parceria?

PROF. CÂNDIDO MOURA: Pelo que entendi, o desafio é construir um satélite com menos de 20 gramas e até agora não vislumbrei um meio de construir algo operacional com essa massa. De qualquer forma, pretendo conhecer melhor as equipes e se  eventualmente surgir alguma possibilidade a gente gostaria sim de participar e efetivar uma parceria com alguma delas. Eu acho que um subproduto importante dessa competição é que de repente poderemos ter alguma empresa no Brasil que tenha um lançador capaz de colocar um cubsat em órbita, o que seria um grande avanço para nós.

BRAZILIAN SPACE: Professor Cândido, na opinião do blog sua iniciativa inovadora deve servir de exemplo para outras instituições educacionais através do País. Assim sendo, o senhor estaria disposto a realizar palestras sobre a sua experiência com este projeto caso existam instituições educacionais interessadas, e em caso positivo, o que essas instituições devem fazer para entrar em contato com o senhor?

PROF. CÂNDIDO MOURA: Fui convidado para dar uma palestra na semana de aeronáutica da USP em agosto, e desde que eu consiga conciliar essa atividade com as minhas aulas, farei com o maior prazer. Basta encontrar em contato com a escola (12) 3832-6221.
 
Professores Cândido e Patricia com alguns dos
alunos envolvidos no projeto (Foto: Elaine Pinho)
 
BRAZILIAN SPACE: Finalizando professor, qual é a sua expectativa com relação ao desempenho do governo DILMA no setor espacial?

PROF. CÂNDIDO MOURA: A gente espera que o setor tenha todo o respaldo que precisa e que consiga superar o seu maior gargalo, que em minha opinião, é ter um lançador próprio.

6 comentários:

  1. bom eu adori o projeto bjs julia que é uma grande fa de vcs

    ResponderExcluir
  2. Valeu Julia!

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir
  3. Boa tarde ... Sou Engenheiro Eletrônico ... não tenho interesse em me aparecer ... mas sim em ajudar com meus conhecimentos, se necessários, neste projeto. Existe algum e-mail para contato?
    Obrigado.

    ResponderExcluir
  4. Olá Anônimo!

    Entrei em contato com o Prof. Cândido e ele me autorizou a passar-lhe o e-mail dele que é: candidomoura3@gmail.com , tá ok? Boa sorte.

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir
  5. Parabéns pelo projeto e apoio aos alunos, sou rádio amador, idealizei em fazer um satélite, mas na minha cidade não obtive muito apoio em 2008, fico muito feliz, é um enorme passo rumo à pesquisa e ensentivos aos alunos!

    ResponderExcluir