quinta-feira, 7 de abril de 2011

Rusia y EE.UU. Desarrolla Motores Espaciales Nucleares

Hola Lector!

Sigue abajo una comunica puesta en español día (05/04) en el website chino “http://spanish.news.cn” destacando que Rusia y EE.UU. cooperarán en el desarrollo de motores nucleares para naves espaciales.

Duda Falcão

Rusia y EEUU Cooperarán en Desarrollo de
Motores Nucleares para Naves Espaciales

Actualizado 05-04-2011 - 10:12:42
Spanish. News. Cn

MOSCU, 4 abr (Xinhua) -- La Agencia Federal del Espacio de Rusia (Roscosmos) y la Administración Nacional de Aeronáutica y del Espacio de Estados Unidos (NASA) llegaron a un acuerdo para cooperar en el desarrollo de motores nucleares para naves espaciales, se informó hoy.

El jefe de Roscosmos, Anatoly Perminov, comentó en el centro espacial kazajo Baikonur, que Rusia ha acordado la fabricación conjunta de motores que funcionen con energía nuclear con la NASA para el 2019 con el fin de utilizarlos para vuelos a Marte.

Esos motores volverán 20 veces más rápidos los vuelos a Martes, comentó Perminov, quien añadió que él y su homólogo de la NASA, Charles Bolden, tienen programada una reunión para el 15 de abril.

Además, Perminov confirmó el lanzamiento de una nave no tripulada a una de las lunas de Marte en octubre de este año.

La nave espacial Phobos-Grunt será enviada a la superficie de Phobos, transportando un microsatélite chino YH-1, la primera sonda del país para Marte.

Perminov indicó que Rusia podría reanudar el programa de turismo espacial en dos años, con un precio del "boleto" de alrededor de 50.000 millones de dólares USA.

Añadió que Rusia planea incrementar el número de lanzamientos de sus naves espaciales Soyuz a partir del 2013 e incluirá a cosmonautas de Ucrania y de Kazajistán entre su tripulación.

Perminov también reveló que Rusia construirá un sitio adicional de lanzamiento en el centro espacial Baikonur en Kazajistán a finales de 2011.

El 5 de abril, una nave espacial rusa Soyuz TMA-21, con tres astronautas a bordo, será lanzada desde el centro espacial Baikonur.


Fuente: Website chino http://spanish.news.cn

Comentário: Pois é leitor, mais uma notícia que exemplifica a grande preocupação de outras nações com as atividades espaciais. O Brasil, sua sociedade e principalmente seu governo precisam acordar. Em nossa opinião o Brasil precisa consolidar logo sua tecnologia de foguetes e satélites, para então liderar com a Argentina, México, Venezuela, Chile e outras nações da região, a criação de uma Agência Espacial Latino Americana (AELA) no moldes da ESA, para que assim os povos dessa região do planeta possam se beneficiar dos grandes benefícios gerados pelas atividades espaciais. Quanto a matéria, não resta dúvida que o que americanos e russos querem é buscar soluções para diminuir o tempo de viagem entre a Terra e Marte, já que quanto menos tempo os astronautas e cosmonautas ficarem expostos as radiações e perigos do espaço, menos possibilidades de ocorrer acidentes haverá. Entretanto, não se pode esquecer da opção já em desenvolvimento oferecida a NASA pela empresa Ad Astra do ex-astronauta costa-riquenho Franklin Chang-Díaz, ou seja o motor a plasma VASIMR, que prevê levar astronautas a Marte em 32 dias.

2 comentários:

  1. O fato de Russos e Americanos terem juntado força em um projeto de propulsão nuclear, talvés seja originário de um acordo nos anos 60, quando o armamentismo havia crescido bastante entre URSS e EUA. Naquela época, os dois países tinha projetos separados de propulsão nucleares adiantados para futuras naves espaciais, que poderiam ser lançadas apartir dos anos 70 ou 80. Obviamente, nenhuma das nações envolvidas queriam o desenvolvimento da outra nesta área, e ambos assinaram um acordo que limitava as armas nucleares e também o banimento de qualquer artefato militar nuclear no espaço, incluíndo propulsores de foguetes. A Força Aerea Americana e a NASA, apartir de uma ideia do fisico Freeman Dyson, estavam desenvolvendo nos anos 60, o Projeto Orion (nada a ver com as capsulas desenvolvidas para o programa constelation). A Orion, seria uma nave de propulsão nuclear movida com bombas de hidrogênio que faria a nave atingir propulsões estrondosas. Com a assinatura do acordo este projeto foi cancelado. Von Braun chegou a ter simpatia pelo programa Orion.

    http://en.wikipedia.org/wiki/Project_Orion_(nuclear_propulsion)

    http://pt.wikipedia.org/wiki/Projeto_Orion


    Agora Russos e Americanos poderão retomar seus antigos e talvés novos e mais seguros projetos.

    ResponderExcluir
  2. Pois é Ricardo!

    Bem lembrado amigo e realmento foi assim como você descreveu. Entretanto, apesar do acordo assinado agora entre os inimigos de outrora, essa tecnologia deverá demorar um tempo para se concretizar, algo em torno de 20 a 25 anos ainda. Eu apostaria mais na opção apresentada pela empresa Ad Astra do ex-astronauta Chang-Díaz, que já encontra-se bem próximo de um teste de vôo e se bem sucedido, poderá obter um maior apoio da NASA. Vamos aguadar.

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir